Mostra SP | Crítica: Human Flow – Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além de assinar o cartaz da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o artista chinês Ai Weiwei traz para esse festival seu mais novo documentário: Human Flow – Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir.

O documentário se dedica, em seus 140 minutos de duração, a explorar a crise de migração que ocorre atualmente no planeta, focando nas situações de extrema dificuldade vividas pelos refugiados de inúmeros países da Ásia, África, Europa e até da América que não podem voltar para seus países, além do posicionamento político das nações que os recebem (ou que os expulsam).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao explorarmos o histórico de Ai Weiwei, sabemos que seu pai foi um perseguido político e de que o próprio artista é um refugiado de seu país. Vivendo atualmente na capital da Alemanha, Weiwei tem plena consciência que é privilegiado em relação às pessoas retratadas em seu filme, mas notamos aí o ponto de partida de seu interesse em retratar essa questão tão discutida na atualidade: O artista também é um refugiado de seu país de origem.

O caráter humanista da obra e a proximidade com que Weiwei dialoga com seus entrevistados – sempre mostrando uma preocupação e tentando demonstrar o respeito que tem por aquelas pessoas – acaba nos mostrando um lado ainda mais umbrífero dessas migrações que podem acabar passando despercebidos (ou mesmo sendo deliberadamente ignorados) por parte da mídia: A triste situação em que essas pessoas são obrigadas a sobreviver.

Por mais que o filme possa parecer se tornar demasiadamente longo, Human Flow – Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir é um documentário extremamente necessário para os nossos tempos, mesmo que seja bastante difícil de ser assistido por mostrar as condições subhumanas em que milhões de pessoas são forçadas a viver por simplesmente não poderem continuar em seu país de origem.

O filme encontra seu maior mérito justamente por não se propor a encontrar soluções nessa questão tão complexa, mas por mostrar com sobriedade a tenebrosa realidade do dia a dia desses refugiados. Human Flow – Não Existe Lar Se Não Há Para Onde Ir é um filme que definitivamente merece ser assistido na 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio