Por Fernando Berenguel

Para o casal Max e Annie tudo se resume a competição: a dupla que possui uma personalidade pra lá de competitiva, passa suas noites tentando a qualquer custo vencer seus amigos em jogos e competições que organiza. Logo no início da trama, uma montagem bem sacada sugere que a história do próprio casal se mistura a algumas das partidas que eles já participaram, mostrando desde o instante em que os personagens de Jason Bateman e Rachel McAdams se conheceram, até o lúdico momento do pedido de casamento do casal.

Praticamente todos os acontecimentos do filme então passarão a ocorrer em uma única noite a partir de uma competição proposta pelo rico e invejável irmão mais velho de Max, interpretado por Kyle Chandler (da série Edição de Amanhã). Apresentando “a competição mais incrível de todas”, Chandler anuncia em uma noite de jogos que os três casais presentes participarão de uma encenada competição bem próxima do real onde um dos integrantes da turma será sequestrado e os demais competidores terão de descobrir o endereço do cativeiro da vítima e salvá-la.


Diversos coadjuvantes de peso farão parte desta jornada em torno de um “Whodunit” de humor negro como Jeffrey Wright (Westworld) no papel de um suposto agente do FBI, Jesse Plemons (Breaking Bad) dando vida a um policial amargurado e Michael C Hall (Dexter) no papel do temido Búlgaro. O excluído e bobão policial Gary interpretado por Jesse Plemons embora possa render algumas sequências não muito inspiradas logo no início do filme quando os personagens tentam esconder suas reuniões, é também responsável por grandes momentos onde o humor extraído do bizarro mais funcionam como a divertida cena envolvendo um cachorro puddle e fotografias.

O que dará o tom da trama é que os próximos desdobramentos do roteiro exigirão um certo fairplay e uma paciência do espectador que não conseguirá distinguir se os conflitos da história realmente aconteceram com os personagens ou se foram parte de uma encenação forjada, premissa que se estenderá até os último minutos do filme. A engenhosidade do roteiro se dá justamente neste “game” jogado com o espectador em que as peças do tabuleiro serão personagens buscando num momento salvar um colega de um sequestro e noutro buscando apenas solucionar mais um dos jogos a qual estão acostumados.

O humor desta legítima comédia de ação flui melhor nas sequências onde a ideia do riso nervoso é explorada, como na inspiradíssima sequência de extração da bala de revólver e que é uma das marcas do humor anárquico do filme. As inspiradas e divertidas sequências envolvendo um tiro de revólver e uma turbina de um avião também são outros registros da personalidade tragicômica do filme. Sugiro inclusive, um certo cuidado do espectador pois todas estas são exibidas no trailer portanto, passe longe do trailer do filme: estas são algumas das cenas que fazem de A Noite do Jogo ser uma séria candidata ao posto de a comédia do ano.

A Noite do Jogo