Os Estranhos: Caçada Noturna chega 10 anos depois do primeiro filme lançado no cinema da franquia do roteirista Bryan Bertino que, dessa vez, não dirigiu o longa. Sem um nome de peso como Liv Tyler no elenco, a “sequência” funciona bem e deve agradar aos fãs do gênero.

Bailee Madison deve ser considerada uma aposta de Hollywood desde 2011, quando chegou aos cinemas com Esposa de Mentirinha e roubou a cena. Em Os Estranhos: Caçada Noturna, a moça está atuando magnificamente bem, como exige o papel de protagonista de filmes de terror. Sua personagem convence em todo momento, mesmo que haja um mínimo de pano de fundo para começarmos a explorá-la.

O que faz do longa algo interessante é a falta de preocupação com uma história complexa. Ninguém precisa ter visto o filme de 2008 para se agradar com a nova história. Não há nada que fique faltando se explicar, apesar de nada ser realmente explicado. A simplicidade da história, que muitas vezes pode ser a ruína de uma película, dessa vez faz do longa um entretenimento de fato interessante.


Assim, o filme cumpre sua proposta e entrega um terror interessante, mais focado em assustar com o suspense do que entrar no chamado “gore”. Algumas cenas podem até se mostrar divertidas ao mesmo tempo em que você prende a respiração. Um exemplo é um momento que envolve uma briga em uma piscina, com uma trilha sonora que, dissonante, funciona muito bem para dar uma espécie de “alívio” ao clima pesado e escuro que envolve a película.

Apesar de não trazer novidades para o gênero, o filme se faz eficaz dentro de seu gênero e esse é seu trunfo. No geral, pode se mostrar esquecível, mas uma ou duas cenas podem marcar o público, sem alarde. Uma mistura perfeita de se levar a sério dentro do entretenimento que, auxiliado por sua parte técnica bem arquitetada, faz um bom filme por si só, mas mediano perante toda a indústria.

Os Estranhos: Caçada Noturna