Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo chega aos cinemas dez anos depois do sucesso Mamma Mia! O Filme, que trouxe para as telonas o musical da Broadway baseado nas músicas do Abba. Mesmo com todo o elenco original, o novo musical não tem a força do primeiro, mas pode funcionar para aqueles que são muito fãs do primeiro filme ou da peça teatral.

Apesar dos retornos, algumas ausências são bastante sentidas. A primeira fica no roteiro. Dirigido e escrito dessa vez por OI Parker, o filme perde com a saída de Phyllida Lloyd na direção e Catherine Johnson na adaptação. Talvez o grande erro tenha sido colocar nas mãos de um homem uma história que segue uma protagonista feminina e coadjuvantes também femininas. Esse caso pode até ser considerado hoje como um retrocesso, já que vivemos uma época da indústria que está mais focada na representatividade e o longa original era tanto escrito como dirigido por mulheres.

A outra ausência mais sentida fica por conta também de uma mulher: Meryl Streep. Apesar de estar bastante presente em todas as divulgações do filme, Streep tem uma participação muito pequena. Apesar de Donna, sua personagem, estar e muito bem representada em seu passado por Lily James, a atriz ganhadora do Oscar só aparece em fotos ou nos créditos, uma decisão até que bastante ousada. Alexa Davies e Jessica Keenan Wynn também representam bem o passado das personagens de Julie Walters e Christine Baranski, que voltam muito bem, mas podem ter menos tempo de tela do que os fãs gostariam.


Stellan Skargard, Pierce Brosnan e Colin Firth também estão de volta e, assim como os demais personagem que já povoavam o original, voltam surpreendentemente bem para uma continuação que ocorre após dez anos. Já as duas grandes adições para o elenco, Andy Garcia e Cher, podem dividir opiniões. Garcia está bem, mas Cher não vive uma de suas melhores atuações, apesar de se poder alegar que a adição da intérprete para o musical dá um brilho a mais para as músicas das quais ela participa.

A trama se divide em uma interessante parte do passado de Donna e de uma desinteressante parte do futuro de Sophie. Enquanto é muito divertido acompanhar as aventuras passadas de uma quase que irreconhecível e lendária Donna, quando o longa salta para o futuro o público deve ansiar por voltar no tempo e ver mais de James na tela.  Somado ao fato de muitas músicas presentes no primeiro musical serem reinterpretadas neste, mais da metade do filme pode soar até como descartável.

Assim, Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo não justifica sua mais de hora e meia de filme e, já que praticamente excluiu Streep do filme, poderia ser mais interessante somente falando sobre o passado de Donna, mostrando que a indústria e sua propaganda ainda pecam por exigir o retorno de um elenco estelar que pouco faz no filme, enquanto os jovens e novos integrantes do longa roubam a cena.

Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo