Crítica | 22 Milhas

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Estreia nos cinemas 22 Milhas, a mais nova parceria entre o diretor Peter Berg e o ator Mark Wahlberg. Se acha que essa união se resume ao fato de seus sobrenomes rimarem, está enganado. Este é o quarto trabalho deste duo. Na ordem: O Grande Herói em 2013, Horizonte Profundo – Desastre no Golfo em 2016, O Dia do Atentado também de 2016, e agora, 22 Milhas.

Vale um breve retrospecto para compreender melhor o filme mais recente. O currículo da dupla está equilibrado, sendo seus dois primeiros filmes superiores aos dois últimos. Assim, O Grande Herói, mas principalmente Horizonte Profundo – Desastre no Golfo mostram-se filmes bem vigorosos. Não há busca por reflexões intensas em nenhum destes filmes, mas existe uma vibração que compensa, tornando-os agradáveis. Já O Dia do Atentado, têm suas qualidades, mas é irregular nas dinâmicas, no ritmo. O fato do filme de 2016 ter mais de duas horas de duração cooperam para essa instabilidade narrativa. Agora, sobra decepção ao assistir 22 Milhas, pois se mantido o nível médio do que havia sido feito antes, poderia se considerar de bom agrado. Ao invés, o que assistimos é uma sucessão de equívocos emaranhados que jogam para baixo cada um dos aspectos técnicos, ou de tratamento das personagens, aqui de maneira bem superficial.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O filme mostra, porque contar está fora de cogitação, a trajetória do agente da CIA James Silva e sua missão de transportar o informante Li Noor da sede de inteligência americana até o aeroporto, que fica a 22 milhas de distância.

Antes de entrar nos deslizes do filme, vale exaltar sua única virtude: Iko Uwais. O ator, dublê, coreógrafo nas artes marciais nascido na Indonésia é uma boa revelação deste desastroso projeto. Sendo ainda jovem, é possível prever um futuro promissor ao ator, que pode ser comparado em estilo a uma mistura de Jackie Chan com Jean-Claude Van Damme nas partes coreografadas. E mais, é o único ator de todo o elenco, que apresenta uma atuação dramática digna.

Aí cabe a pergunta: de que adianta ter boas coreografias se a câmera não consegue traduzir ou valorizar minimamente tais atributos, seja plasticamente ou pela engenhosidade dos movimentos? Infelizmente, este é o caso em 22 Milhas. Apenas uma cena de luta tem algum valor, que é quando Li Noor está algemado a uma cama na enfermagem na sede da CIA no país asiático. Nesta, ao contrário de todas as outras cenas de luta no filme, a câmera está um pouco mais distante dos dublês, e não há uma infinidade de cortes, que apenas deixam tudo bagunçado, confuso, além de esteticamente desinteressante. Este um dos pontos mais baixos no longa, a montagem que não consegue costurar, mas retalhar, chegando a incomodar. Pior que essa edição frenética não se contenta apenas com as genéricas cenas de ação, especialmente as sonolentas troca de tiros entre mocinhos e bandidos. Não, mesmo nos momentos mais cadenciados, de interlocução, os cortes continuam na mesma velocidade das centenas de tiros disparados.

Talvez, a montagem agitada fosse para distrair, no sentido de confundir, o espectador para este não reparar na pobreza dos diálogos por toda a trama. Se era essa a ideia, não funcionou. Não existem quaisquer predicados de roteiro em 22 Milhas. Seja na conversação entre personagens, no tratamento destas, na evolução do enredo, na catarse climática, nada acerta o alvo. Na realidade, passa bem longe. E, ainda proporciona tentativas de discurso de cunho espertinho a um Mark Wahlberg completamente fora do tom.

Aqui, uma defasagem no centro do longa que é o seu protagonista. Óbvio que se o roteiro não ajuda, e a direção é das mais frouxas, consequentemente, protagonista e boa parte do elenco vão sofrer em decorrência. Desses, Mark Wahlberg é quem sofre mais. Em uma performance de uma personagem sem força ou resistência para segurar uma narrativa nas costas, o astro atira para tudo o que é lado, não com armas, mas com a língua mesmo. Na construção da personagem era para ser uma pessoa de comportamento bipolar pós-traumático, mas na verdade mais parece um homem de meia idade irritadiço, que fala tão rápido quanto o Mark Zuckerberg do filme A Rede Social de David Fincher.

Com tantos problemas, e lembrando que 22 Milhas é uma coprodução chinesa, ficam duas opções claras ao espectador: assistir ao filme ou deixar esses problemas para os chineses.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio