Crítica | O Homem Perfeito

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Há uma safra recente de comédias nacionais que, para variar, contam com uma execução tecnicamente mais cuidadosa, bem fotografados e atuados mesmo que nem sempre com roteiros lá tão originais. São filmes como La Vingança, Divórcio e o recente Talvez uma História de Amor, que não fazem feio ao lado das comédias de estúdio que chegam do exterior. Com bons nomes em seu elenco e uma ideia promissora, mesmo que antiquada, O Homem Perfeito parecia destinado a se juntar a esse pequeno clube de boas comédias brasileiras dos anos 2010.

Na trama, Diana (Luana Piovani) é uma escritora de sucesso, porém não do jeito esperado. A protagonista trabalha como ghost writer, ou seja, escreve no lugar de outras pessoas menos aptas, neste caso celebridades que não parecem ter a mínima noção da realidade. Casada há anos com Rodrigo (Marco Luque), um quadrinista largado, ela vê sua vida virada do avesso quando o homem admite ter um caso com uma garota mais jovem e decide deixá-la para viver com a amante. Enquanto lida com seus sentimentos, Diana também encara o trabalho complicado de escrever a auto-biografia de Caique Costa (Sérgio Guizé), um roqueiro problemático e bastante machista.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ainda com saudades de Rodrigo, Diana elabora um plano inusitado para reconquistá-lo, um que parte de seu talento como ghost writer: criar uma conta virtual fake para Carlos, “o homem perfeito”, no intuito de seduzir a nova companheira do ex, Mel (Juliana Paiva), e vagar sua vida amorosa. Contudo, ela não achava que algumas trocas de mensagem seriam o bastante para capturar o interesse da moça, e logo precisará de alguém para posar como Carlos pelo telefone, para isso contando com a ajuda inesperada de Caique, que sabe fingir uma pinta de romântico.

Apesar de alguns toques problemáticos, essa premissa guardava algum potencial para situações divertidas. Além de encaixar o lado profissional de Diana naturalmente na trama, havia a possibilidade de brincar com a linguagem das redes sociais com bastante criatividade, prometendo uma versão moderna de comédias de disfarce como Tootsie e Uma Babá Quase Perfeita. Porém, logo nas primeiras trocas de mensagem entre Carlos e Mel, vemos que não é o caso. O texto de Tati Bernardi e Patricia Corso, com colaboração de Pedro Coutinho, é duro e nada descontraído, e soaria falso sem a boa entrega do elenco.

Também é necessária uma boa suspensão de descrença para comprar a ingenuidade de Mel, uma jovem conectada mas que aparentemente nunca ouviu falar de contas fake na vida. Mesmo ignorando isso e aceitando o enredo pelo que ele é, O Homem Perfeito perde o ponto de outras comédias de disfarce: não há desafios criativos no caminho da farsa sustentada pela protagonista. Tudo é muito fácil: Mel cai de amores doa noite pro dia; Diana inventa desculpas e Mel sempre acredita; nem as fotos claramente photoshopadas de Carlos levantam alguma suspeita na jovem. Consequentemente, a comédia acaba atenuada pela falta de risco.

Ao menos, se falta graça, O Homem Perfeito evita uma série de noções antiquadas. A velha história da mulher que corre atrás do homem de sua vida continua datada, mas aqui as personagens também tem outros objetivos. Diana tem seu comprometimento com o trabalho e quer ser diretamente reconhecida por ele, desejo que no final é recompensado de maneiras interessantes. Mel, por sua vez, é uma dançarina aspirante mas muito decidida – quando Rodrigo diz à jovem que “acha uma graça” seu desejo de se tornar bailarina, ela questiona seu tom paternalista com prontidão.

Porém tudo isso nos leva a um elemento contraditório do enredo: porque duas mulheres tão capazes correriam atrás de um homem como Rodrigo? É dito por Diana que o sujeito consegue ser muito bom para ela, mas não há nada que convença o público de seus atrativos. Isso atrapalha O Homem Perfeito na construção de sua mensagem empoderadora, diluída também pelo forçado arco de redenção de Caique, machista irremediável que é transformado em um homem perfeito por Diana como num passe de mágica. Não relacionado, o curtíssimo tempo em tela da veterana Magali Biff (Pela Janela) também agrega a esse sentimento de potencial desperdiçado.

Mesmo que a direção de Marcus Baldini tenha certa elegância e crie algumas gags visuais boas, O Homem Perfeito depende quase que inteiramente do carisma de Luana Piovani para se manter de pé. A atriz continua a mostrar que tem grande talento para comédias, consolidando-se como uma das intérpretes mais articuladas do cinema comercial brasileiro. Ainda assim, é difícil sustentar um fraco roteiro de comédia, independente do talento de atuação envolvido. Se não salva o material, o esforço de Piovani, assim como a negação de alguns arquétipos femininos de comédias românticas, ao menos garantem que nem todo tempo foi perdido.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio