Crítica: Ragnarok – 2ª Temporada

Série norueguesa da Netflix amadurece mais sua narrativa nesta segunda parte

Publicado em 27/5/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Agosto de 1962.

Foi nesse período que a Marvel lançou o quadrinho Journey into Mystery (no traduzido, Jornada para o Mistério) contendo a primeira aparição do super-herói Thor, criado por Jack Kirby, Stan Lee e Larry Lieber.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Óbvio, que a versão dos quadrinhos é uma inspiração direta do Deus do Trovão da mitologia nórdica, mas que antes teve variações de seu nome durante a segunda centena após Cristo, na era do Império Romano. E, apenas no século XI, tivemos a versão da era Viking.

De modo que muitos de nós aprendemos superficialmente sobre mitologia nórdica nas escolas, sobrou para a versão super-herói da Marvel ser uma porta de entrada mais palatável para compreendermos (licenças poéticas à parte) as lendas do norte europeu.

Para os que cresceram na década de 90, também houve um pouco de cultura pop nórdica, com a exibição do anime japonês Os Cavaleiros do Zodíaco (1986-1989) de Masami Kurumada. Especificamente, na chamada Saga dos Guerreiros Deuses, protetores de Odin.

Aí vem o século XXI e a MCU (Universo Cinematográfico da Marvel) não permitindo que mitologia nórdica seja algo opcional! O poderoso Thor, interpretado por uma década pelo ator australiano Chris Hemsworth, vem aparecendo em diversos filmes desde o início da batizada Saga do Infinito. Na sua própria trilogia, com os fracos Thor (2011) e Thor: O Mundo Sombrio (2013), e o agradável Thor: Ragnarok (2017); e, também como parte dos filmes-evento do conglomerado de super-heróis Vingadores.

E, já que a Netflix sempre gosta de deixar suas marcas na cultura pop, também. Nada mais justo do que entregar uma versão nórdica sobre algo nórdico.

Desta maneira, veio a segunda temporada de Ragnarok, série de produção norueguesa da Netflix que nos leva até a cidade fictícia Edda, região oeste do país, afetada pelo aquecimento global e poluição industrial, causadas pelas fábricas da família Jutul, que escondem suas reais identidades. Cabe ao garoto Magne (David Stakston), que é a encarnação do deus Thor, lutar contra aqueles que estão destruindo nosso planeta.

Universo familiar

Quem tem acompanhado os filmes da Marvel pela última década, não será surpreendido ao mergulhar de cabeça em Ragnarok. Dado que, muito do que iremos testemunhar nessa série norueguesa criada por Adam Price, já sabemos pelas produções da Marvel, em especial, a trilogia Thor e o longa Vingadores: Guerra Infinita (2018) dos irmãos Russo.

Todavia, não vá pensando que veremos nessa produção da Netflix algo na mesma escala que os filmes de super-heróis. Muito pelo contrário!

A produção de Adam Price realmente foca na mitologia, de forma bem didática, vale exaltar. Isso ajuda bastante aqueles que se interessam pelo assunto e querem conhecer mais a fundo sobre esse universo. Mais: o mérito de educar também acontece pelo viés do amadurecimento (tipo, coming of age), pois Ragnarok é um drama adolescente em sua essência.

A maior diferença da primeira para a segunda temporada, que já se encontra disponível na plataforma digital, é que saiu um tanto daquela atmosfera vista na franquia de cinema Crepúsculo, com triângulo amoroso envolvendo os personagens Magne, Fjor (Herman Tommeraas) e Gry (Emma Bones); e, estabeleceu-se mais a respeito dos intermédios da trama, que situa dois lados opostos.

No meão da história, observamos que Ragnarok não apenas toca em alguns assuntos, mas explora-os de forma categórica, como por exemplo: a importância de conhecer suas origens, e o quanto certas dúvidas nessa área desnorteiam nossos íntimos; a luta de classes entre proletariado e burguesia; a condescendência geral diante velhas tradições; o embate entre moral versus destino; e, os alicerces políticos beneficiários concedidos para as grandes empresas do mundo.

Esta última temática, em caso de uma terceira temporada, pode ser uma boa denúncia a ser discutida pela narrativa de Ragnarok. Se bem cumprida, será uma versão teen das obras de cinema Leviatã (2014) e Sem Amor (2017) de Andrey Zvyagintsev. Algo deveras arrojado, mas relevante e real.

Ao mesmo tempo, por exemplo, no episódio ‘Conhece-te a ti mesmo’ podemos observar o dilema moral do protagonista Magne, que se encontra como uma testemunha inócua, enquanto assiste uma série de acontecimentos infelizes, sem poder fazer absolutamente nada. Praticamente, uma versão nórdica de Homem-Aranha 2 (2004) de Sam Raimi.

É intrigante que um enredo como é o caso deste, seja capaz de transitar entre o comentário social cirúrgico necessário e o entretenimento de gênero voltado para o público jovem, sem um anular o outro.

Elenco

Desconhecidos para a grande maioria de nós, o elenco norueguês é um dos pontos altos dessa produção original da Netflix, principalmente Jonas Strand Gravli, que faz o papel de Laurits, encarnação do deus demoníaco Loki e irmão de Magne (Thor).

O ator norueguês é o que melhor desempenha as aflições e medos de sentir que não pertence a nenhum lugar, e que ninguém realmente o compreende. Algo que está no centro quando tratamos sobre histórias de conflitos da adolescência. Jonas Strand Gravli capta e exibe todas as nuances (que incluem drásticas mudanças de humor) de sua personagem. Por seis episódios, o ator é o melhor símbolo de como construir e tratar um personagem de modelo tridimensional.

Agora, o astro da série David Stakston não consegue acompanhar o ritmo de seu irmãozinho instável. Longe de afirmar que o jovem ator não cumpre bem seu papel, de maneira que em determinados momentos, é muito vibrante acompanhar os acontecimentos de Ragnarok, pela dedicação dele em cena. Só que a previsibilidade que entorna seu personagem, não permite nada além do esperado, assim também é a entrega do ator.

Conclusão

À parte, o fato do roteiro de Ragnarok deixar a trama arrastar um pouquinho, particularmente, nos dois episódios derradeiros desta segunda temporada, no geral, tudo corre bem. E, fica o gostinho de quero mais!

Basta esperar (aparentemente) mais um ano para vermos qual será o destino da pequena cidade fictícia de Edda e o crescimento do monstro que foi solto na região. E, tal monstro não vem em forma de uma criatura asquerosa, não… mais perigoso é o rancor de Laurits.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio