Crítica: Elvis Presley: The Searcher

Série documental sobre o Rei do Rock foca o lado mais humano do artista, enquanto entrega momentos inesquecíveis para os fãs

Publicado em 1/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Elvis era um pesquisador.”

Priscilla Presley, ex-esposa do rei, mãe de Lisa Marie Presley, e avó da atriz Riley Keough, é quem inicia o documentário Elvis Presley: The Searcher, lançado oficialmente em 2018 como uma produção da HBO Documentary Films, e dirigido por Thom Zimny. E, que agora, encontra-se disponível dentro do catálogo da Netflix.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um pesquisador. Não, um rei. Não, uma lenda da música. Não, um gênio. Mas, um pesquisador.

Tal frase será o motor pelos próximos 215 minutos (2 horas e 35 minutos) em obra que, para a felicidade de seus fãs, vai adentrar os meandros da vida de um homem que sempre olhava para a frente, tentando imaginar seus próximos passos.

O garoto de Tupelo, Mississippi

Elvis Aaron Presley (8 de janeiro de 1935 – 16 de agosto de 1977), também conhecido simplesmente como Elvis, era um cantor, músico e ator americano. Ele é considerado um dos ícones culturais mais significativos do século XX, e é frequentemente referido como o “Rei do Rock and Roll”. Suas apresentações energizadas das canções e estilo de performance sexualmente provocante, combinadas com uma mistura singularmente potente de influências através das linhas de cores durante uma era transformadora nas relações raciais, levaram-no a grande sucesso e muita controvérsia.

Acima, uma biografia bem superficial sobre um homem que antes foi um garoto de Tupelo, no estado do Mississippi, que veio da pobreza, e se apaixonou pela música, mais especificamente, a música gospel americana.

O diretor Thom Zimny fará questão de sempre lembrar o espectador que a música gospel está no centro de tudo que envolve a figura mítica de Elvis. Algo que vai muito além da música, pois é a ligação com seu passado, que inclui a chegada de um jovem na grande cidade de Memphis, no estado do Tennessee, e principalmente, a relação de amor incondicional por sua amada mãe, Gladys Love.

Se a família é quem iniciou o pequeno futuro astro do rock, ao levá-lo para a Assembleia de Deus, uma das sedes da igreja evangélica espalhadas por toda a América, foi a vibrante Memphis quem solidificou a paixão dele pela vida e música.

É muito curioso que no cenário americano quando falamos sobre música, normalmente, somos apresentados a alguns berços musicais, que entregaram movimentos culturais marcantes pelo caminhar da história.

Nashville, também no estado do Tennessee, é chamada de Cidade da Música, que abrigou vários artistas da música country americana; Nova Orleans, no estado de Louisiana, é o berço sagrado do jazz; mais recentemente, Seattle, Washington, tornou-se centro do movimento cultural conhecido como grunge, que produziu bandas, como Nirvana, Alice in Chains, Soundgarden e Pearl Jam.

Atualmente, na cidade de Austin, no Texas, temos o renomado festival South by Southwest (SXSW), que ao longo deste século vem revelando boa classe de artistas musicais de todo tipo de gênero; assim, como as metrópoles de Chicago, Los Angeles, Nova Jersey e Nova York que são gigantes polos culturais que têm de tudo um pouco.

Em Memphis, onde o jovem Elvis se apaixonou pelos movimentos e energia da mundialmente celebrada Beale Street, rua famosa da cidade repleta de clubes que tocam o bom e velho blues, em especial, um som original único, batizado como o Blues de Memphis. Ali nascia o artista que iria revolucionar os seguintes anos, como um homem que mistura gospel, blues e R&B criando uma nova forma dançante e afrontosa de rock and roll.

O artista

Mais do que ícone musical, Elvis foi símbolo da juventude americana, que vivia eras turbulentas com o Movimento dos Direitos Civis nos Estados Unidos, que tinha como seu maior representante Martin Luther King Jr. Tal época, torna ainda mais singular a figura do astro do rock and roll que balançava as pernas e quadris com uma urgência misturada à sensualidade, que escandalizaram o status quo americano.

Mulheres, na maioria jovens, gritavam aos pulmões quando avistavam o belo topetudo adentrar os palcos. Sua música, incluindo sua inigualável performance, se comunicavam com a juventude das décadas de 50/60, assim como foram outros renomados e lendários artistas, por exemplo: Carl Perkins, Jerry Lee Lewis, Johnny Cash e Roy Orbison.

Quase uma regra: se agrada os mais jovens, desagrada os mais velhos.

Deste modo, quando Elvis se apresentou no Grand Ole Opry, templo do country e bluegrass, que fica em Nashville, costumeiramente, de público mais velho e conservador, pouco encantou. Muito pelo contrário, causou um alvoroço devido as sugestivas apresentações onde rebolava até o dia raiar. Conseguem imaginar essa galera, hoje, no século XXI?!?

Mas, como o artista que era, obviamente, isso mudaria, pois o próprio transformaria sua carreira anos adiante. Ficaria ainda mais claro, que o habilidoso Elvis Presley, um descendente direto do cruzamento de Bill Monroe (bluegrass) e B.B. King (blues), além de uma alma gospel, seria um ícone ainda maior na segunda parte de sua carreira.

O pesquisador

“Tudo já foi feito, nada mais é novo”

Certamente, o Rei do Rock não se importaria se tal frase fosse usada para determinar sua trajetória musical.

Talvez, o mais fanático pelo artista multi talentoso ache um absurdo, pois Elvis era único e incomparável. Sim, pura verdade! Ninguém fazia o mesmo que ele, e da forma como só ele conseguia.

Porém, existe uma maneira de destrinchar a frase acima, e compreender o espírito sensível e desbravador de um dos artistas mais relevantes do século passado.

Quando se comenta de que tudo já foi feito, não quer dizer que não há mais espaço para a inventividade humana, mas sim para o essencial, no sentido, do tudo o que foi feito por minha essência. No caso, dois elementos primordiais de sua infância: sua mãe e o gospel.

Esta é a base do brilhante e revolucionário astro da música e cinema Elvis Presley.

Já, a segunda parte da frase, refere-se a consciência de seu papel como artista, que é carregar a tocha para as próximas gerações que virão, pois o principal papel da arte é instigar e inspirar o receptor, para que este possa redistribuir tais valores para aqueles que um dia estarão a frente.

E, poucos contribuíram tanto para a arte como Elvis Presley, que pesquisou a fundo. Especialmente, suas condições humanas, presenteando a vida com amor, intensidade e muito swing. Maior privilégio!

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio