Crítica – A Barraca do Beijo 3

Trilogia rom-com adolescente coloca ponto final com terceira parte insossa e inverossímil

Publicado em 11/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Sabem quando aquela série já deu o que tinha que dar, não tem absolutamente mais nada a dizer, mas ainda assim criam-se e disponibilizam-se temporadas após temporadas?

Então, este não é o caso da série de filmes A Barraca do Beijo, que desde sua gênese já não apresentava qualquer elemento de valor real para se manter. Ainda mais por três longas-metragens!

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Obviamente, tal produção não se apegou a qualquer substância material para seguir em frente. Não mesmo! Temos aqui a boa e velha fórmula de sucesso que, surpreendentemente, ainda resiste para um certo público. Mesmo para gerações mais novas que vieram a esse mundo, menos apegadas a determinados convencionalismos.

Em A Barraca do Beijo 3, já disponível no catálogo da Netflix, retornamos ao triângulo – Elle, Lee e Noah. É o verão antes de Elle (Joey King) ir para a faculdade, e ela está enfrentando a decisão mais difícil de sua vida: se vai se mudar para o outro lado do país com seu namorado dos sonhos Noah (Jacob Elordi) ou cumprir sua promessa de ir para a faculdade com seu melhor amigo Lee (Joel Courtney). De quem será o coração de Elle?

Aturando Elle

Ficaram atentos à pergunta no final da sinopse?

“De quem será o coração de Elle?”

A resposta é: qualquer um, menos ela própria!

Aqui encontra-se o maior problema, não apenas desta terceira parte, mas de toda a trilogia dirigida por Vince Marcello. Não importa a quantidade de carisma da atriz Joey King, pois todas as atitudes e palavras manifestadas por ela, ou são uma expressão de clichê de gênero, ou abstinentes de real sentimento.

Pior: isso não é exclusivo à protagonista da história, pois praticamente todo o elenco (jovens e adultos) se juntam à ela com performances que não passam da temperatura morna; entregando uma enorme ironia, já que A Barraca do Beijo 3 acontece durante o verão americano de muito sol, praia e piscina.

Milagrosamente há uma exceção em todo o elenco que foi capaz de demonstrar algo crível no meio de tanta plasticidade: Meganne Young, que faz o papel da namorada de Lee.

Se encontrarem um mínimo traço de nuance ao assistirem esta produção original da Netflix, certamente, o mérito é só dela e de mais ninguém.

Um oceano de clichês envelhecidos

É muito natural cobrar dos atores quando não sentimos nada pela evolução do enredo sendo contado.

Bom, infelizmente, em alguns momentos nem é possível afirmar que temos uma narrativa em execução durante A Barraca do Beijo 3. Apenas um amontoado de ações que pouco ou nada entregam.

No entanto, é necessário admitir que em dois momentos existe algum valor em cena, no caso: a corrida de kart com parte do elenco fantasiado; e o flash mob durante um jantar de gala.

De resto? Nada que realmente mova os conflitos da protagonista para a frente, que ainda teve de lidar com o novo relacionamento de seu pai. As cenas entre Joey King e Bianca Amato, que interpreta a nova namorada do pai, são modorrentas de se assistir.

Com um roteiro que está mais preocupado em encaixar-se nos moldes do que tratar algumas dúvidas e questionamentos que surgem com o amadurecimento, fica muito complicado de se envolver com esta parte final da trilogia original da Netflix.

Conclusão

Curioso, que tirando o triângulo principal de A Barraca do Beijo, definitivamente, o maior nome do elenco na produção é o da atriz Molly Ringwald, que foi ícone teen durante a década de 80, através das obras Gatinhas & Gatões (1984), Clube dos Cinco (1985) e A Garota de Rosa Shocking (1986), todas estas produções assinadas pelo respeitado John Hughes (1950 – 2009).

Ao escalar Ringwald nesta trilogia Netflix baseada nos livros escritos por Beth Reekles, o diretor Vince Marcello busca reativar o cinema teen daquela época e, deve-se dizer que consegue emular alguns dos tradicionalismos daquelas obras, que em tempos atuais, mostram-se um tanto datadas.

Só que Marcello se esqueceu do principal ingrediente presente na filmografia de John Hughes: alma.

Os personagens escritos ou dirigidos pelo falecido artista não se revelavam inócuos. Muito pelo contrário!

Enquanto os jovens de A Barraca do Beijo 3, simplesmente parecem estar sentadinhos à janela do banco passageiro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio