Crítica – Justiça em Família

Suspense de ação da Netflix finge ser sobre vingança, mas na realidade apresenta os efeitos do luto

Publicado em 20/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

À primeira vista, Justiça em Família parece algo que já vimos antes. À segunda vista, também.

Ainda assim, vale exaltar as tentativas do debutante diretor Brian Andrew Mendoza em tentar nos surpreender pouco antes da resolução. O problema é que o caminho até chegarmos lá é um tanto familiar, revelando alvo a alvo, concluindo-se que o buraco é sempre mais “embaixo”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No mais recente mix de suspense com ação da Netflix, acompanhamos o devotado homem de família Ray Cooper (Jason Momoa), que jurou justiça contra a empresa farmacêutica responsável por retirar do mercado um medicamento potencialmente capaz de salvar vidas, como de sua esposa (Adria Arjona) morta pelo câncer. Mas quando sua busca pela verdade leva a um encontro mortal que coloca Ray e sua filha Rachel (Isabela Merced) em perigo, a missão do pai de família se transforma em uma busca implacável por vingança.

Nas profundezas do trauma

É possível estabelecer um paralelo entre Justiça em Família e Beckett, lançamento original da Netflix estrelado por John David Washington, em vista que ambos comentam as minúcias do luto no indivíduo.

Todavia, o longa estrelado por Washington mescla o pesar da perda com um thriller político, de forma onde ambos argumentos terminam esvaziados pela falta de tratamento convincente do texto e algumas escolhas de direção. Enquanto a obra protagonizada por Jason Momoa escolhe um caminho claro e reto da vingança, mas na parte final opta por pegar a estrada que aborda o sofrimento daqueles que perdem quem mais amam.

Essa ruptura do roteiro escrito pela dupla Philip Eisner e Gregg Hurwitz obriga o assinante da Netflix a retomar a história desde seu começo, para checar se houve ou não pontas soltas.

Infelizmente, não dá para afirmar que o estreante Brian Andrew Mendoza foi capaz de amarrar as ações dos personagens da maneira mais convincente. Ele tenta, especialmente quando espelha a enorme frustração e raiva de pai e filha quando praticam esportes de luta, porém, não passa muito disso.

Eisner/Hurwitz deixam uma trilha de migalhas para os espectadores decifrarem o nível do trauma em Justiça em Família, como por exemplo, a maneira que o pai chama sua filha em certos momentos. Contudo, será necessário por parte destes uma dose extra de suspensão da descrença, que não é nada mais do que a interrupção do julgamento em troca da premissa do entretenimento proposto.

Algo muito comum para os amantes da saga de filmes de ação Velozes e Furiosos, mas um pouco estranho nesta produção da Netflix.

Pequena grande garota

No mínimo curioso que em um filme estrelado pelo gigante Jason Momoa, o maior destaque fique com a pequenina Isabela Merced, que fez o que pode para convencer o público em Justiça em Família.

Vale lembrar que a jovem atriz de 20 anos de idade, vem trilhando um caminho elogiável desde seu primeiro grande papel no fraco Sicário: Dia do Soldado (2018). De lá para cá, ainda fez De Repente uma Família (2018) de Sean Anders, e Dora e a Cidade Perdida (2019) de James Bobin. Também fez sua primeira produção com a Netflix em Deixe a Neve Cair (2019).

Em todos estes projetos citados, fica muito fácil observar os talentos de Merced, que tendem a crescer ainda mais, inclusive nos aspectos vigorosos na prática de um cinema mais físico.

Denúncia

O cineasta Brian Andrew Mendoza ainda busca fazer uma crítica às grandes empresas farmacêuticas americanas, que se corrompem para garantir um pedaço de bolo a mais, enquanto pessoas adoecem e morrem ao nosso lado.

Por mais louvável que seja, já vimos este filme antes, muitas e muitas vezes. E, embrulhado no mesmo tipo de papel de presente também.

É necessário maior engenhosidade para fazer com que tramas como Justiça em Família te peguem desde o começo. No entanto, esta produção original da Netflix apresenta-se como um ‘samba de uma nota só’ no quesito cinema de gênero ação.

Isso deixa a narrativa desenvolvida por Mendoza engessada. As coisas só mudam quando nos deparamos com a grande virada na história.

Que nos leva a pensar o quão pálido tudo se mostrou na maior parte do tempo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio