Crítica | O Beijo no Asfalto

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como seres humanos, muitas vezes agimos de forma impulsiva. Alguns desses impulsos são estranhos, inexplicáveis, mas ainda muito humanos. Porém vivemos em sociedade, e até mesmo o menor dos gestos, se feito em público, está imediatamente sujeito ao julgamento alheio. Na peça O Beijo no Asfalto, do controverso dramaturgo Nelson Rodrigues, Arandir socorre um homem atropelado e, segundos antes do sujeito morrer, dá-lhe um beijo na boca, uma pequena escolha que leva a consequências devastadoras.

O breve beijo, testemunhado com repúdio pelos outros pedestres, torna-se o centro de um espetáculo macabro quando um jornalista e um detetive se aproveitam da situação para impulsionar suas carreiras, fabricando uma história que liga o morto a Arandir. Em um jornal sensacionalista publicado no dia seguinte, são feitas insinuações que abalam o casamento de Arandir com Selminha e que enfurecem seu sogro Aprígio, e tudo passa a se acumular em uma gigantesca bola de neve que termina inevitavelmente em tragédia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Não é a primeira vez que a aclamada peça de Rodrigues é transposta para as telonas, mas a adaptação dirigida por Murilo Benício faz a proeza de soar inédita. Além de marcar a estreia do ator nas funções de diretor e roteirista de cinema, O Beijo no Asfalto faz uma representação única de seu material fonte. Não há alterações perceptíveis no texto – precisa? -, mas tudo é apresentado de uma perspectiva diferenciada, híbrida, que mescla leituras de roteiro com encenações e não raramente apresenta quebras literais da quarta parede.

É uma nova abordagem de um material rico e que continua atual, partindo de um beijo para falar sobre tantas coisas. Discute padrões e normas sociais, o público e o privado, o poder da mídia e ainda papéis de gênero. De forma orgânica, o texto de Rodrigues cria intersecções entre esses diversos tópicos sobre um elenco de personagens com histórias de fundo e motivações complexas, num emaranhado de pontos de vista. Não há protagonista, mas a subjetividade e os segredos de todos eventualmente vem à tona para o julgamento do público.

Dando vida ao fascinante elenco de personagens, há uma lista de nomes infalíveis do nosso cinema: Lázaro Ramos (Arandir), Fernanda Montenegro (Dona Matilde), Débora Falabella (Selminha), Stênio Garcia (Aprígio), Augusto Madeira (Cunha) e mais. O grande destaque, pelo menos a meu ver, é Otávio Müller, que já impressionou este ano em Benzinho e aqui não poderia estar mais diferente daquela figura paterna dócil, exalando perversidade no papel do vilanesco jornalista Amado Ribeiro – seu confronto com a viúva do atropelado, durante o funeral, é de gelar a alma.

Por isso, Benício acerta em cheio ao intercalar encenações com trechos da leitura de roteiro, mediada com espirituosidade pelo diretor Amir Haddad. Nesses momentos, os atores e atrizes se encontram numa mesa redonda, discutindo a essência e o significado de suas personagens, o que enriquece a experiência e não soa tão didático quanto inicialmente esperado. As transições entre estas leituras e as encenações também são bem resolvidas, com trucagens simples, econômicas, mas muito inteligentes, conferindo uma fluidez admirável para o projeto.

Na verdade, com a ação limitada a um estúdio – com cara de estúdio -, muitas dessas soluções visuais se dão através de truques de luz, mudanças na cenografia ou, em pós-produção, através de uma sonoplastia que confere ambiência às cenas – a primeira estadia de Arandir na delegacia é um bom exemplo desses três elementos em ação conjunta. Parte do charme vem do fato que a produção assume que é justamente uma produção audiovisual, deixando escapar elementos que, em qualquer outra ocasião, de maneira alguma deveriam surgir em tela, como microfones boom, trilhos de dolly e operadores de câmera.

Nada mais justo para um filme que, em seu cerne, argumenta sobre a natureza líquida da verdade, em tempos que rumores e fake news são recebidos prontamente como fato. Muito como o ótimo Aos Teus Olhos, que se inspirou em uma peça mais recente – que, por sua vez, tomou como inspiração o trágico caso da Escola Base -, O Beijo no Asfalto questiona a legitimidade atribuída às mídias – lá, o whatsapp, aqui, o jornal. Se o filme, uma mídia que procura imitar o real, deixa suas arestas à mostra, há aí um reforço de que o que vemos não é totalmente legítimo, e o que julgamos real pode muito bem ser fabricado.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio