Presidente de associação ativista critica: “Hugh Hefner era um machista”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em luz do recente falecimento de Hugh Hefner, fundador da Playboy, aos 91 anos, muitos perfis tem saído em defesa do legado do empresário, pintando-o como um pioneiro de movimentos sociais.

Sarah Kate Ellis, que comanda a associação ativista GLAAD, cuja principal área de atuação é nos direitos LGBT, soltou declaração contradizendo tais perfis: “É alarmante como a mídia está tentando pintar Hugh Hefner como um pioneiro da justiça social e ativista, porque nada poderia ser mais distante da realidade”, escreve.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Hefner não era um visionário. Ele era um machista que construiu um império na premissa de sexualizar mulheres e trazer estereótipos para o grande público, que causaram dano irreparável no direito das mulheres e em toda a nossa cultura”, continua.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio