O super produtor Harvey Weinstein, uma lenda de Hollywood que ajudou filmes como Pulp Fiction (1994), Shakespeare Apaixonado (1998) e Gangues de Nova York (2002), entre inúmeros ouros, a ganharem os cinemas, foi acusado por “dúzias” de funcionárias de assédio sexual.

A reportagem-bomba do The New York Times foi publicana nessa quinta (05), e traz uma resposta de Weinstein, que admite problemas com seu comportamento.

“Não me escapa o fato de que a forma como me comportei com colegas no passado causou muita dor, e eu sinceramente peço desculpas por isso. Estou tentando ser melhor, mas tenho um longo caminho a percorrer”, disse Weinstein.


A atriz Ashley Judd (Divergente) é uma dessas mulheres. Em 2015, ela citou em entrevista que havia sido assediada por um “mega produtor não nomeado”, e agora admitiu que se trata de Weinstein para o The New York Times.

Judd conta que foi chamada a um hotel com Weinstein para o que ela acreditava ser um café da manhã de negócios. Ao invés disso, o produtor a levou para seu quarto e apareceu com um roupão, perguntando se ela queria vê-lo tomando banho.

“Como eu saio daquele quarto o mais rápido possível sem alienar alguém tão poderoso quanto Harvey Weinstein?”, relembra a atriz.

Outra das acusadoras é a atriz Rose McGowan, da série Charmed. Weinstein vai se afastar temporariamente de suas funções na Weinstein Company, que toca ao lado do irmão Bob Weinstein.