O super produtor Harvey Weinstein, uma lenda de Hollywood que ajudou filmes como Pulp Fiction (1994), Shakespeare Apaixonado (1998) e Gangues de Nova York (2002), entre inúmeros ouros, a ganharem os cinemas, foi acusado por “dúzias” de funcionárias de assédio sexual.

Em resposta, o advogado do produtor, Charles J. Harder, prometeu processar o New York Times, que publicou a matéria, por “no mínimo” US$50 milhões em danos morais, o equivalente a mais de R$150 milhões.

“O New York Times publicou hoje uma matéria que está saturada de declarações falsas e defamatórias sobre Harvey Weinstein. A matéria é fundada em fofocas e reportagens falhas, aparentemente roubadas de um arquivo particular da companhia. Esses relatos foram desafiados por 9 diferentes testemunhas”, disse ao Page Six o advogado.


A atriz Ashley Judd (Divergente) é uma das mulheres que alega ter sido assediada por Weinstein. Judd conta que foi chamada a um hotel com Weinstein para o que ela acreditava ser um café da manhã de negócios. Ao invés disso, o produtor a levou para seu quarto e apareceu com um roupão, perguntando se ela queria vê-lo tomando banho.

Outra das acusadoras é a atriz Rose McGowan, da série Charmed.