Morgan Spurlock, diretor de Super Size Me, admite ter assediado mulheres em carta aberta

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O diretor Morgan Spurlock é um dos documentaristas mais populares de Hollywood desde o lançamento de Super Size Me – A Dieta do Palhaço (2004). Em uma carta aberta publicada na noite da quarta (13), ele admite ter abusado de seu poder para assediar mulheres (via E! News).

Atriz reconta assédio de Alfred Hitchcock: “Ele ameaçou destruir minha carreira”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Durante a minha vida, me lembrou de muitos incidentes que espelham exatamente o que eu vejo nas notícias todos os dias. Quando eu estava na faculdade, uma garota com quem eu fiquei em uma noite me acusou de estupro. Não diretamente, não aconteceu nenhuma investigação, porque ela não fez acusações formais, mas através de um pedaço de ‘ficção’ que ela escreveu depois contando o que aconteceu naquela noite”, escreve Spurlock.

“Eu tenho certeza que eu não estou sozinho nisso: Não posso agir de forma cega, como um observador inocente, porque eu tive uma parte para desempenhar em tudo isso. Se eu vou realmente me apresentar como alguém que busca a verdade em meus filmes, preciso ser verdadeiro sobre mim. Eu sou parte do problema”, continua.

“Em torno de oito anos atrás, eu fechei um acordo com uma funcionária que me acusou de assédio. Não foi assédio físico, pelo que ela disse, mas verbal, e foi tão ruim quanto qualquer outro. Quando ela decidiu se demitir, ela veio até mim e disse que iria contar tudo o que eu disse para ela se eu não oferecesse alguma coisa. Era a última coisa que eu queria, então eu paguei”, prossegue o diretor.

“Com o passar dos anos, eu também fui infiel com as minhas esposas e namoradas. Eu olhava nos olhos delas e dizia que as amava, e a seguir ia dormir com outras pessoas pelas costas delas. Eu acho que todos nós precisamos achar a coragem de admitir que estamos errados – e mais do que qualquer coisa, espero poder reconstruir a confiança e o respeito que os que eu amo mais tem por mim. Não sei se eu mereço, mas trabalharei duro para merecer”, conclui.

Spurlock publicou sua carta aberta em meio a avalanche de denúncias de assédio e abuso sexual em Hollywood, que começou com a matéria do The New York Times sobre Harvey Weinstein, produtor acusado por mais de 60 mulheres desde as primeiras denúncias.

Nomes como Kevin Spacey, Robert Knepper, Jeffrey Tambor, Louis C.K. e John Lasseter se viram envolvidos em acusações semelhantes desde então.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio