O diretor Quentin Tarantino se desculpou publicamente por suas declarações, retiradas de uma entrevista de 2003, sobre o caso de estupro envolvendo o cineasta Roman Polanski e Samantha Geimer, que tinha 13 anos na época do incidente.

Na entrevista, Tarantino dizia acreditar que o caso “não deveria ser classificado como estupro. Não com uma garota de 13 anos, uma garota festeira de 13 anos”. O cineasta reconhecia que Polanki não deveria ter feito sexo com Geimer, mas argumentava que “a relação foi consensual”.

Agora, Tarantino liberou uma declaração oficial se retratando (via IndieWire). “Eu quero me desculpar publicamente com Samantha Geimer por minhas declarações no The Howard Stern Show sobre ela e sobre o crime que foi cometido contra ela”, escreve Tarantino.


“Quinze anos depois, eu consigo perceber como estava errado. A Srta. Geimer foi estuprada por Roman Polanski. Quando Howard quis falar de Polanski, eu incorretamente quis ser o advogado do diabo no debate, procurando ser provocativo ou polêmico. Eu não pensei na Srta. Geimer, e estou realmente devastado”, continua.

“Então, Srta. Geimer – eu fui ignorante, e insensível e, acima de tudo, estava incorreto. Eu sinto muito”, conclui.

Enquanto isso, Tarantino prepara um filme que vai tocar nos assassinatos ordenados pelo líder de culto Charles Manson nos anos 1960, incluindo o da atriz Sharon Tate, esposa de Polanski na época do acontecido. Segundo informações, Polanski será um personagem no longa.

Quentin Tarantino explica acidente com Uma Thurman em Kill Bill