O cineasta Lars Von Trier está em Cannes para promover seu novo filme, The House That Jack Built, e em entrevista ao Allocine, falou sobre o movimento #MeToo e sobre as acusações de cantora Bjork, que disse que o diretor dinamarquês abusou psicologicamente dela no set de filmagem do filme Dançando no Escuro.

Trier elogiou o #MeToo, dizendo que o é uma “ideia brilhante”, mas mostrou dúvidas em relação ao modo como o movimento é aplicado na época da internet. “Se usado de forma correta, isso será muito importante. O problema é que a internet é algo que não imaginávamos que iria nos afetar do modo com afeta. Ninguém pensou que isso ou aquilo poderia acontecer. Eu só estou com medo que… Se uma pessoa diz que alguém cometeu um assassinato, ela é presumida inocente antes que se prove o contrário”.

Sobre o caso com Bjork, Trier disse: “Sabe, 90% dos jornalistas com quem falei acreditam que eu assediei a Bjork, mas isso é ridículo, porque eu neguei, mas ninguém escreveu. Porque uma boa história é escrever que eu assediei”.


The House That Jack Built | Lars von Trier segue um serial killer no sangrento trailer

Trier também tem recebido diversas críticas por seu novo filme, mas ele rebateu todas negando qualquer tipo de censura (saiba mais).

O lançamento comercial de The House That Jack Built deve acontecer ainda em 2018, embora não haja data.

O longa foi exibido no Festival de Cannes, que acontece entre 8 de 19 de maio, fora de competição.