Johnny Depp alegou legítima defesa no processo que julga a acusação de agressão do ator a um membro da equipe do filme City of Lies. Nos documentos obtidos pelo TheWrap, Depp disse que suas ações foram “provocadas” por Gregg Brooks.

“Os atos denunciados pelo autor foram provocados pela conduta ilícita e errônea do demandante em que o autor intencional e maliciosamente atuou e conduziu suas atividades de tal forma a causar, Depp teme por sua segurança, e de acordo com as observações do réu Depp, o réu Brad Furman por sua segurança”, está escrito no processo.

“A queixa e cada uma das suas causas de ação são barradas, ou a recuperação reduzida, por negligência do próprio autor, imprudência e/ou negligência”, aparece em outra parte do documento.


Johnny Depp acusa a ex, Amber Heard, de ter defecado em sua cama

De acordo com o portal TMZ, o caso teria acontecido ainda em abril de 2017, durante filmagens que aconteciam no centro de Los Angeles. Gregg Brooks havia avisado que Depp e a equipe tinham tempo para apenas mais um tentativa de gravação de uma cena. Foi quando o ator, extremamente irritado, avançou sobre o funcionário da produção.

“Quem você pensa que é? Você não tem o direito de me dizer o que fazer”, disparou Depp. Brooks ainda conta que o famoso deus dois socos em sua região abdominal.

“Eu lhe dou US$ 100 mil para bater no meu rosto agora”, ainda teria provocado o astro. Depois, os seguranças do ator o retiraram do local.