Algumas semanas após Harvey Weinstein ter sido acusado de vários crimes sexuais adicionais em Nova York, a atriz alemã, Emma Loman, abriu um processo contra o produtor, alegando que ele a estuprou durante o Festival de Cannes de 2006.

De acordo com o THR, a atriz disse que Weinstein usou seu status para atraí-la para seu quarto de hotel e, depois, a estuprou. Na época, ela estava em transição de sua carreira como modelo, para atriz. Ela alega que Weinstein a convidou para Cannes como seu convidado, para discutir o papel em um de seus filmes.

Loman alega ter hesitado em aceitar o convite, mas Weinstein não desistia. A atriz alega que o assistente do produtor a ligava repetidamente, até 30 vezes por dia. No fim, ela acabou aceitando o convite e viajou para Cannes.


Advogado de Harvey Weinstein critica Asia Argento: “Hipocrisia”

Ao chegar lá, Loman disse que Weinstein foi charmoso e amigável ao longo de inúmeros encontros, durante os quais ele ofereceu conselhos e ganhou sua confiança. Ele teria dito que existiam inúmeros papéis em filmes seus, para os quais ela serviria, mas disse que os roteiros eram confidenciais e que tudo precisaria ser discutido em seu escritório – seu quarto de hotel, durante o Festival.

“Ao chegar na suite de Weinstein, no entanto, Weinstein rapidamente abandonou seu lado profissional”, escreveu o advogado Joseph Ferrucci, na reclamação. “Ao invés disso, ele dominou Loman e a estuprou. Chocada e traída, Loman não sabia o que fazer. Aumentando a desorientação de Loman, Weinstein passou a tratar o estupro como componente padrão de sua relação, como se a discussão profissional que ele ofereceu a Loman realmente tivesse acontecido”.

A atriz ainda alegou que Weinstein a encurralou em outra reunião, dizendo que seus seguranças não a deixariam ir embora até ela prometer não falar nada sobre o estupro.

O advogado de Weinstein, Benjamin Brafman, não comentou sobre o assunto.