Várias celebridades de Hollywood saíram em defesa do ator Geoffrey Owens, que ficou conhecido pelo papel de Elvin Thibideaux em The Cosby Show, série que participou de 1985 a 1992. Na semana passada, ele foi visto trabalhando como caixa em um supermercado da Califórnia e o seu novo emprego foi tratado de forma depreciativa pela imprensa norte-americana.

Criadora e protagonista de Better Things, a atriz Pamela Adlon contou a sua própria história para defender que o trabalho de Owens não é vergonha alguma. “Eu trabalhava como atriz há anos. Os trabalhos pararam, como eles param. Eu trabalhei no varejo. Distribuí panfletos. É sobre o trabalho. O trabalho te dá orgulho e propósito. Sua visibilidade como ator nunca vai embora. Mas o dinheiro com certeza vai.”

A produtora-executiva Leslie Grossman também não ficou calada e escreveu no Twitter que é normal atores e atrizes trabalharem em outros segmentos.


“Quase todas as pessoas que eu conheci que buscam uma carreira nas artes já tiveram ou tem um outro trabalho. Eu vendi roupas. O que você fez? Se você é uma pessoa que julga ou olha com desprezo para alguém que trabalha em um outro serviço nós não podemos ser amigos”, questionou a moça.

Quem respondeu a pergunta de Grossman foi Michael Kelly, que interpreta Doug em House of Cards. “Construção, mensageiro de bicicleta, garçom e trabalhador por remessa, tudo enquanto corria atrás do meu sonho, e alguns deles enquanto já havia atingido o objetivo de ser ator. E se eu tiver que fazer outro trabalho algum dia, farei”, escreveu o rapaz.

Sede da BBC em Londres sofre ameaça de bomba

Outro que não se pronunciou por conta do episódio de discriminação foi Blair Underwood, de Quantico. “Não há vergonha em um trabalho honesto e esforçado. Ele está sendo um homem ao fazer o que precisa ser feito para prover a si mesmo e sua família. Muito respeito ao senhor!”, disse ele também no Twitter.