Publicidade

Em artigo contra Donald Trump, Alyssa Milano revela ter sido vítima de assédio sexual na adolescência

Publicado por Bruno Tomé

24/09/2018 10:16

Alyssa Milano, conhecida pela primeira versão de Charmed, voltou a se posicionar contra Donald Trump. Dessa vez, a atriz revelou um segredo pessoal para provar que o presidente norte-americano está errado em sua posição.

Em um artigo para publicação Vox, Alyssa Milano defendeu Christine Blasey Ford, que acusa o juiz da Suprema Corte Americana, Brett Kavanaugh, de assédio sexual. A atriz contou ter sido vítima do mesmo crime na adolescência.

“Demorei anos depois do meu ataque para contar sobre a experiência para meus amigos mais íntimos. Levei três décadas para dizer a meus pais que o abuso havia acontecido. Eu nunca fiz um boletim de ocorrência. Eu nunca falei para as autoridades. Nunca tentei encontrar justiça para minha dor, porque a justiça nunca foi uma opção”, escreveu a atriz no artigo direcionado contra o juiz indicado pelo próprio Donald Trump.

O texto também foi motivado porque Donald Trump defendeu Brett Kavanaugh das acusações, afirmando que se o crime tivesse acontecido, a denúncia teria sido feita anos atrás. De acordo com a suposta vítima, o abuso teria acontecido em 1982, quando os dois estavam no ensino médio.

Charmed | “Queria que eles tivessem falado conosco” diz Alyssa Milano sobre reboot

“Muitos de nós sabem que o que o Presidente Trump disse simplesmente não é verdade. As vítimas de agressão sexual geralmente não denunciam o que aconteceu porque sabem muito bem que nossas histórias raramente são levadas a sério – e que, quando se trata de assédio sexual, nosso sistema judiciário está quebrado”, destacou Alyssa Milano em seu texto.

Ao final do artigo, a atriz ainda pediu que os outros juízes recusassem a indicação de Brett Kavanaugh à Suprema Corte Americana.

“Toda pessoa que se recusa a rejeitar em voz alta e abertamente a indicação de Brett Kavanaugh está dizendo a toda geração de americanos que a carreira de um abusador é mais valiosa do que a humanidade de um sobrevivente. E a mais alta corte em nossa terra não é lugar para um suposto agressor sexual se sentar”, finalizou a artista.

Publicidade