O diretor de Ameaça Invisível e Velozes e Furiosos, Rob Cohen, foi acusado de estupro.

De acordo com um relatório no HuffPost, a acusadora – com o nome de Jane para proteger sua identidade – alegou que Cohen a agrediu sexualmente enquanto ela estava inconsciente.

A suposta agressão sexual ocorreu em 2015, depois que Cohen convidou a mulher de 28 anos para uma reunião de negócios em Manhattan. O plano era que os dois discutissem a colaboração em uma série de TV.


O HuffPost escreve que a mulher se encontrou com o diretor de Velozes e Furiosos em um salão, onde ela afirma que ele pediu uma bebida que ela não pediu. Em seguida, eles mudaram a reunião para um restaurante ao lado do hotel do diretor. Ela disse que ele “a incentivou a beber um pouco mais”.

No final da noite, Jane disse que começou a se sentir “confusa”. Em algum momento, ela disse que desmaiou, mas lembra de acordar nua no quarto de hotel de Cohen, com o diretor com “o rosto em sua virilha e os dedos dentro dela”. Ela disse que não consentiu em fazer sexo com o cineasta.

O diretor de Velozes e Furiosos negou qualquer irregularidade em uma carta de seu advogado Martin Singer para o Deadline.

“A história proposta é uma peça difamatória ultrajante, fazendo afirmações extraordinariamente ofensivas de que meu cliente se envolveu em conduta sexual hedionda, conduta criminosa e outro comportamento inadequado, que são veementemente contestados e negados por meu cliente”, escreveu Singer.

O advogado também alertou o HuffPost sobre “publicar esta história, em um esforço para alimentar o frenesi da mídia sobre o #MeToo com essa história obscena”.

Rob Cohen deu início à saga Velozes e Furiosos em 2001, sendo que continuações e derivados são lançados até hoje.