A roteirista trans Camila Maria Concepcion morreu aos 28 anos. Na quarta, 26, a Variety afirmou que a profissional cometeu suicídio.

Em Hollywood, a escritora tinha uma carreira promissora. Camila contava no currículo com os trabalhos nas séries Daybreak e Gentefied, que chegou neste mês. As duas produções são da Netflix.

Representantes da roteirista divulgaram um comunicado para Variety. Mais detalhes sobre a morte não foram revelados.


“Estamos com o coração partido pela perda de Camila Concepcion. Ela foi contratada como roteirista assistente da equipe de Gentefied, mas logo não demorou a ocupar seu espaço como irmã, roteirista e amiga. Ficamos logo todos espantados por seu talento incrível e sua voz singular. Era uma voz a ser reconhecida e estamos muito tristes pela perda de uma de nossas estrelas mais brilhantes”, diz o texto.

Carreira em ascensão

Camila começou a carreira como assistente de Jill Soloway, da série Transparent. Antes, estudou na renomada universidade de Yale, nos Estados Unidos. A escritora também se destacava pelo trabalho como ativista.

Produtores que trabalharam com Camila também lamentaram a morte com comunicado para imprensa.

“Ela fez contribuições ousadas e essenciais à nossa indústria e seu legado continuará por meio de seu trabalho. Nossos pensamentos estão com a família e os amigos”, afirmam os profissionais.