O ex-astro de The Walking Dead, Michael Rooker, suspeita que seu personagem na série, Merle Dixon, foi morto porque a emissora AMC é “muito barata”.

Rooker apareceu brevemente na primeira temporada do drama de zumbis sob o então produtor Frank Darabont como o caipira Merle, irmão mais velho de Daryl de Norman Reedus, aparecendo apenas mais uma vez na segunda temporada do programa como uma visão provocadora alucinada por um Daryl ferido.

Não foi até a terceira temporada de The Walking Dead, sob o comando do produtor Glen Mazzara, que Rooker foi indicado como regular quando retornou como o braço direito do Governador (David Morrissey), que atirou e matou Merle no penúltimo episódio daquela temporada.


O real motivo

Durante a Wales Comic Con, que aconteceu antes da epidemia do novo coronavírus, o ator da Marvel conversou sobre sua morte em The Walking Dead.

“Gostei de não ter continuado”, confessou Rooker. “Ganhei mais dinheiro com os Guardiões da Galáxia”, disse o ator sobre seu papel como o alienígena espacial de pele azul da Marvel, Yondu.

“Em The Walking Dead, eles eram baratos. A AMC era muito barata. É provavelmente por isso que eles me mataram, porque sabiam que eu receberia mais dinheiro na próxima temporada.”

Ator se reúne com mão decepada

Uma das primeiras mortes emocionantes de The Walking Dead foi a de Merle Dixon (Michael Rooker) na terceira temporada.

Agora, sete anos depois, Merle retorna à companhia do elenco para um episódio da série Ride With Norman Reedus.

Rooker apareceu em uma imagem da estreia da quarta temporada, segurando a mão há muito perdida de Merle com seus colegas aplaudindo atrás dele.

Merle sacrificou sua própria mão para escapar dos caminhantes depois de ter sido algemado na primeira temporada.

Não foi até a terceira temporada que ele substituiu sua mão, colocando uma lâmina no lugar.

Apesar de uma introdução recebida negativamente, Merle ganhou elogios como personagem ao longo dos episódios até sua morte.

Veja a ‘reunião’: