Tupac Amaru Shakur tinha 25 anos em 13 de setembro de 1996, quando morreu em um hospital de Las Vegas.

O rapper faleceu seis dias após ser alvo de um ataque a tiros no carro em que estava na companhia do empresário Suge Knight.

Os dois sobreviveram aos tiros, mas Tupac acabou não resistindo aos ferimentos das balas que atingiram seu corpo.


Agora, 24 anos apos o crime, o Departamento de Polícia Metropolitana de Los Angeles tornou público o arquivo com suas investigações sobre o atentado.

Informações cruciais

O documento com 243 páginas foi obtido pelo jornal The Sun, que divulgou publicamente os principais pontos.

Segundo o site, a investigação foi repleta de erros desde seu início. Tanto Suge Knight quanto familiares de Tupac se recusaram a auxiliar a polícia.

Os documentos também revelam que o rapper foi uma vítima acidental, sendo o empresário o alvo principal dos responsáveis pelo ataque. O crime nunca foi solucionado e ninguém foi preso.

Os jornalistas do The Sun chamam atenção para sete conclusões apresentadas nos documentos:

1) A equipe de Tupac não deu nenhuma informação útil aos policiais responsáveis pela investigação;

2) Um policial de folga que alegou ser agente do FBI tentou forçar sua entrada no quarto no qual Tupac ficou internado antes de morrer com a intenção de atrapalhar seu tratamento;

3) Suge Knight era o verdadeiro alvo dos autores do crime por conta de suas críticas a gangues da cidade de Compton;

4) Uma testemunha anônima do ataque ao carro de Knight e Tupac alega ter visto um homem não identificado que teria atirado contra o veículo e depois entrado em um BMW que o esperava;

5) Os tiros que mataram Tupac acertaram um anel em sua mão, uma caixa de cigarro em um de seus bolsos e um maço de dinheiro que ele levava nas calças;

6) Suge Knight revelou ter ouvido um lamento do amigo enquanto eles fugiam da cena do crime e Shakur percebia a gravidade de seus ferimentos: “E foi você que levou um tiro na cabeça” (em referência ao ferimento do tiro de raspão na cabeça do empresário);

7) Os policiais responsáveis pela investigação receberam vários telefonemas nos dias seguintes ao crime de pessoas que diziam ter sido as responsáveis pelo ataque que tirou a vida do músico.

A polícia trabalha até hoje com a possibilidade do responsável pelos tiros ser Orlando Anderson, um dos homens envolvidos em uma briga com Tupac, Knight e outras pessoas no cassino em que eles estavam.

O caso ainda está em aberto e por isso as autoridades não deverão comentar as informações que vieram à público.