Michael Jackson morreu de forma inesperada em 25 de junho de 2009. O Rei do Pop teve uma parada cardíaca por causa de uma overdose de medicamentos.

Os remédios tinham virado a solução de Michael Jackson para conseguir dormir. Mas, como foi descoberto depois, as doses eram extremamente altas.

Até por isso, o médico de Michael Jackson, Conrad Murray, foi acusado de homicídio culposo. Foi o profissional quem receitou os remédios e as doses tomadas pelo astro.


Michael Jackson tinha 50 anos e estava vivendo um momento único. Na época, o detalhe pode ter passado despercebido. Mas, atualmente, entristece os fãs do Rei do Pop.

Michael Jackson tinha esperança

Antes de morrer, Michael Jackson estava ensaiando a volta por cima. Depois de anos sendo atacado pela mídia e por boatos, o Rei do Pop voltaria com tudo.

O retorno, que também garantiria mais uma fortuna ao Rei do Pop, seria com a turnê This Is It. Michael Jackson queria apagar a imagem de meses anteriores, quando chegou a surgir fragilizado – o que já preocupava os fãs.

O detalhe devastador é que Michael Jackson estava otimista e com muita esperança de que a turnê seria um sucesso. Um dia antes de morrer, o cantor, por exemplo, ficou ensaiando e experimentando figurinos.

Os primeiros shows aconteceriam em Los Angeles (EUA). Neles, o Rei do Pop iria passar uma mensagem para a preservação da natureza, já que a temática seria a luta contra o aquecimento global.

Tudo isso seria feito depois de Michael Jackson ser inocentado de 10 acusações de pedofilia e ter dito que queriam matá-lo – o que mostrava como o cantor estava se sentindo. O desabafo foi feito para o comediante Dick Gregory.

Com o acontecimento do dia 25 de junho de 2009, Michael nunca pôde buscar a sonhada redenção.