Freddie Mercury faleceu em 1991, e deixou para trás um legado inegável para a comunidade artística e a cultura pop. Até hoje, os hits do cantor são ouvidos no mundo todo.

O cantor ganhou uma homenagem recente no filme Bohemian Rhapsody, no qual foi interpretado por Rami Malek, que ganhou o Oscar de Melhor Ator por sua performance.

Assim como muitas outras estrelas, Freddie Mercury brilhou forte e morreu jovem. O artista faleceu devido a uma broncopneumonia causada pela AIDS.


Em uma rara entrevista, Mary Austin, namorada, melhor amiga e grande amor de Freddie Mercury revelou detalhes trágicos e interessantes sobre os últimos anos do cantor; confira abaixo!

Dias tristes 

De acordo com Mary Austin, mesmo com toda sua alegria de viver e perseverança, Freddie Mercury sofreu muito pelos efeitos debilitantes de sua doença nos últimos dias de vida.

“A qualidade de sua vida mudou tão tragicamente, e ele sentia mais dor a cada dia. Estava perdendo a visão, o corpo ficou fraco e ele sofreu com ataques epilépticos. Foi muito triste vê-lo se deteriorando dessa forma”, contou Austin.

Um dos relacionamentos mais importantes da vida de Freddie Mercury foi com Mary Austin. Os dois se conheceram na década de 1970, quando a vendedora de roupas tinha apenas 19 anos.

O relacionamento de Freddie Mercury e Mary Austin terminou, mas os dois continuaram grandes amigos até a morte do ator. Mercury inclusive foi padrinho do primeiro filho de Austin, e deixou a maior parte de sua herança para ela.

Freddie Mercury faleceu em 24 de novembro de 1991, em Londres.