Os comentários transfóbicos de J.K. Rowling estão afetando mais do que apenas a franquia Harry Potter.

De acordo com o The Daily Mail, a equipe da editora Hachette está se recusando a trabalhar no mais recente livro infantil da autora de Harry Potter, The Ickabog. Em reunião sobre a publicação, inúmeros membros da equipe demonstraram relutância em trabalhar no livro de J.K. Rowling.

“A equipe no departamento de livros infantis na Hachette anunciou que não está mais preparada para trabalhar no livro”, disse uma fonte não nomeada do Daily Mail.


“Eles disseram que se opõem aos comentários [de J.K. Rowling] e que apoiam a causa trans”, continua a fonte, que informa que a equipe é toda relativamente jovem, nos seus vinte e trinta anos.

A editora se posicionou

Apesar da posição tomada por parte da equipe, a editora em si se posicionou, considerando os comentários transfóbicos de J.K. Rowling como parte do direito de “liberdade de expressão”.

“Estamos orgulhosos em publicar o conto de fadas de J.K. Rowling, The Ickabog. Liberdade de expressão é o pilar da editoria”, disse a editora Hachette em declaração.

“Fundamentalmente acreditamos que todos têm o direito de expressar seus pensamentos e crenças. Por isso nunca comentamos as visões pessoais dos autores e respeitamos o direito de nossos funcionários de terem visões distintas”, continua a declaração.

A editora continuou, dizendo que seus funcionários provavelmente serão obrigados a trabalharem no livro da autora.

“Nunca obrigaremos nossos funcionários a trabalharem em um livro cujo conteúdo os ofenda por razões pessoais. Mas isso é diferente de se recusarem a trabalhar em um livro porque eles discordam da visão de um autor fora de sua escrita, o que vai de encontro com nossa crença na liberdade de expressão”.

Enquanto isso, J.K. Rowling continua a enfrentar a repercussão negativa dos seus comentários nas redes, com muitos defendendo o boicote da franquia Harry Potter e outras obras da autora.