J.K. Rowling, autora dos livros de Harry Potter, não é exatamente a celebridade mais amada da Internet. Depois de realizar (inúmeros) comentários transfóbicos nas redes, a autora vem sendo duramente criticada.

Ao invés de deixar a poeira abaixar, Rowling continua publicando opiniões retrógradas e com isso vem gerando cada vez mais revolta por parte da comunidade LGBTQIA+.

Agora, as impressões douradas das mãos da autora, em Edimburgo, capital da Escócia, foram depredadas com tinta vermelha.


O Pink News entrevistou uma fonte local, que disse que a tinta pode simbolizar que a autora de Harry Potter “tem sangue nas mãos”, em razão dos seus tweets sobre pessoas trans.

Além disso, uma bandeira do orgulho trans foi colocada ao lado do monumento à autora. Confira na imagem abaixo.

Comentários polêmicos

Rowling publicou uma série de tweets dizendo que jovens com “problemas de saúde mental” estão passando por terapias hormonais e cirurgias.

Dessa forma, a autora de Harry Potter basicamente defendeu a “cura gay”, visto que acredita que homens e mulheres podem mudar de opinião sobre suas sexualidades ou identidades de gênero através de terapia com psicólogo ou psiquiatra (não terapia hormonal).

A autora de Harry Potter disse que isso se trata de “um novo tipo de terapia de reorientação para jovens gays, direcionados a uma vida de medicamentos que podem resultar na perda de fertilidade e de suas dinâmicas sexuais”.

Não bastasse isso, a autora atacou diretamente o processo de transição, pelo qual muitas pessoas trans optam. 

“Como eu já disse muitas vezes, a transição pode ser a resposta para muitos. Para outros, não será”, continuou J.K. Rowling

“Os riscos a longo-prazo no uso de hormônios para transição têm sido estudados há muito tempo. Esses efeitos colaterais são constantemente minimizados ou negados por ativistas trans”, disse a autora de Harry Potter.

Obviamente que os comentários transfóbicos e homofóbicos de J.K. Rowling geraram revolta nas redes sociais e muitos chegam a boicotar os trabalhos da autora, incluindo a franquia Harry Potter.

Muitos outros, no entanto, continuam “passando pano” para Rowling, ignorando a ideologia da escritora.