Desde criança, Paris, a filha de Michael Jackson, é praticamente uma celebridade. Quando vivo, o Rei do Pop chamava muita atenção – o que acabou sendo transferido para os herdeiros dele.

Porém, a situação da fama não foi algo fácil para Paris Jackson. Após a morte do pai, em 2009, a jovem herdeira passou por situações complicadas.

A morte de Michael Jackson foi uma mudança drástica na vida de Paris. Após passar anos vivendo feliz com o pai e os irmãos no rancho Neverland, a garota teve que se adaptar a uma vida com os avós e os irmãos Prince e Blanket.


Toda a situação, especulam veículos, começa ainda na infância de Paris Jackson. A jovem, hoje atriz e cantora, não tinha tanto contato com a mãe, Debbie Rowe.

Por escolha de Debbie, ela não teve contato com Paris e Prince por uma década. Na separação de Michael Jackson, em 2001, a mulher teria dito à justiça: “Não são meus filhos. São filhos dele”.

Paris, porém, tomou uma atitude em 2016, quando Debbie foi diagnosticado com câncer de mama. Com uma mensagem de, “Eu te amo”, voltou a falar com ela. Desde então, as duas se dão bem.

Vida após morte de Michael Jackson

Paris tinha 11 anos quando Michael Jackson morreu. No funeral do Rei do Pop, o mundo viu um momento de quebrar o coração: uma filha em desespero se despedindo do pai.

Chorando, a garota discursou: “Eu só queria dizer que, desde que eu nasci, papai foi o melhor pai que você pode imaginar. Eu só queria dizer que amo ele muito”.

A situação, depois, se mostrou preocupante. Quando passou a morar com vó, Katherine, Paris começou a se automutilar. Paris comentou sobre o que pode ter causado isso.

Na série dela no Facebook, Unfiltered: Paris Jackson and Gabriel Glenn, a famosa relatou que tinha “um estilo de vida muito saudável” com Michael Jackson. Porém, na casa da vó, “não existiam regras”.

Ela disse que passou a comer doces e tomar refrigerante o tempo inteiro, ganhando peso. Ao ouvir dos primos que era “gorda”, passou a se machucar.

A situação levou à depressão e a tentativas de tirar a própria vida. Paris Jackson confirmou isso em entrevista com a Rolling Stone. Tudo aconteceu quando ela tinha 15 anos, época em que também estava viciada em drogas.

“Era um ódio de mim mesma. Autoestima baixa, pensando que não fazia nada certo e que não merecia viver”, contou a filha de Michael Jackson.

Na mesma época, Paris Jackson foi abusada sexualmente. Na entrevista, comentou que foi na escola que frequentava, quando tinha 14 anos. Apesar da idade, a jovem andava com pessoas mais velhas “fazendo coisas muito malucas”.

A cantora nunca deu detalhes do que aconteceu. Sobre a identidade do autor, a jovem diz que foi “um completo estranho”.

Após as situações, a família Jackson tomou uma medida drástica. Paris Jackson foi viver em uma escola terapêutica, em Utah (EUA).

Os parentes não queriam ver a garota passando por momentos difíceis por conta de processos da morte de Michael Jackson. Assim, Paris ficou 1 ano e meio no local. “Foi ótimo para mim”, revelou a atriz e cantora.

Porém, Paris teria mais uma recaída entre 2018 e 2019. A famosa nunca tocou no assunto, mas veículos apontam que ela ficou 30 dias em uma clínica de recuperação para se livrar de vez das drogas.

A preocupação teria partido da própria filha de Michael Jackson após a overdose de Demi Lovato.

Em 2020, Paris Jackson parece bem. Ela está na estrada com a banda Soundflowers, que lidera ao lado do namorado Gabriel Glenn – que estaria ajudando ela a se manter sóbria.

Atualmente, a filha de Michael Jackson diz buscar se aceitar. “Estou trabalhando no conteúdo. Tentando ser conteúdo. Passos de bebê. Amor próprio”, declarou a famosa.

Em caso de ajuda por problemas como os citados no texto, o Centro de Valorização da Vida atende pela internet ou pelo telefone 188.