É o livro mais vendido de todos os tempos e incrivelmente influente na civilização ocidental, mas os britânicos de hoje não estão tão familiarizados com a abertura da Bíblia.

Na verdade, de acordo com uma nova pesquisa do serviço de streaming de música Deezer, é mais provável que britânicos conheçam a letra de abertura da música “Bohemian Rhapsody”, do Queen, de Freddie Mercury (“Is this the real life? Is this just fantasy?”) do que Gênesis 1:1 (“In the beginning God created the heavens and the earth”).

Quase dois terços dos britânicos conheciam o início da faixa do Queen, enquanto menos da metade poderia dizer a primeira linha da Bíblia.


Mas, curiosamente, é menos provável que os londrinos conheçam a abertura de “Bohemian Rhapsody”, com apenas 58% sendo capazes de lembrar dela.

Em comparação, 83% dos moradores de Newcastle conheciam a letra. Sem surpresa, 74% das pessoas mais velhas sabiam o começo do sucesso do Queen em 1975.

Enquanto isso, apenas 53% dos adultos e 49% dos jovens conheciam a letra de abertura de “Bohemian Rhapsody”.

Música muito popular

Adam Read, editor musical do Reino Unido e da Irlanda do Deezer, disse: “Não estou surpreso que a maioria dos britânicos se lembrem da abertura de ‘Bohemian Rhapsody’, do Queen, já que as músicas têm uma maneira de se conectar conosco por meio de suas letras e de todos os componentes que nos fazem adorá-las.”

“Os artistas são incríveis contadores de histórias e têm uma maneira de querermos entender o significado de uma música por meio de suas letras.”

“É por isso que estou feliz por termos um recurso de letras que nos permite acompanhar e sentir mais perto de nossas faixas favoritas.”

Há dois anos, “Bohemian Rhapsody” foi eleita a música mais veiculada do século 20, superando “Smells Like Teen Spirit” do Nirvana.

Quando lançada pela primeira vez em 1975, “Bohemian Rhapsody” permaneceu no topo do UK Singles Chart por nove semanas, vendendo mais de um milhão de cópias no final de janeiro do ano seguinte.

A música se tornou líder novamente no final de 1991 por um total de cinco semanas após a morte de Freddie Mercury.

Sem dúvida, a popularidade do filme Bohemian Rhapsody ajudou nisso.

A cinebiografia de Freddie Mercury terminou sua história em 1985, com a icônica performance do Queen no Live Aid.

Desde então, o cantor do Queen viveu mais seis anos. Especulou-se que uma sequência poderia acontecer.

Recentemente, o Express UK perguntou ao baterista do Queen, Roger Taylor, o que ele achava dessa ideia.

Taylor disse: “No momento, não é algo que eu gostaria de ver. Não acho que seja uma boa ideia.”

Ele acrescentou: “Só porque algo deu certo, não acho que se deva necessariamente ter uma sequência.”

“Eu acho que realmente funcionou apenas uma vez e foi como O Poderoso Chefão!”

“Não vejo uma boa história aí.”

“Acho que contamos uma história realmente boa e não gostaria que pensassem em apenas desenvolver algo para ganhar dinheiro. Então, agora, não.”

Bohemian Rhapsody estreou em 2018. O filme contou com Rami Malek interpretando Freddie Mercury.