Mais de 60 anos após sua morte, Marilyn Monroe é até hoje uma das estrelas mais icônicas de Hollywood. A atriz foi imortalizada em filmes, programas de TV, música e na estética da atualidade, e seu legado será para sempre influente no mundo do entretenimento.

A maioria dos admiradores de Marilyn Monroe conhece a atriz por sua beleza e imagem sexy, que na verdade eram reflexos de uma vida repleta de traumas – que terminou muito antes da hora.

De uma infância abusiva a relações completamente destrutivas em Hollywood, Monroe tem uma trágica história de vida.


Confira abaixo os detalhes mais importantes da triste trajetória de Marilyn Monroe.

Infância difícil

Marilyn Monroe nasceu Norma Jean Mortenson em 1 de junho de 1926. A atriz não conheceu o pai. Em sua autobiografia incompleta “Minha História”, a atriz afirma que sua mãe sempre mostrava uma foto do ator Clark Gable quando perguntada sobre o pai.

Por isso, Monroe associou a imagem do astro de Hollywood à memória do pai. Os dois contracenaram em Misfits, o último filme da filmografia da atriz.

Gladys, a mãe de Marilyn Monroe, foi diagnosticada com esquizofrenia. Ela passou por várias instituições psiquiátricas até se casar John Eley, que morreu poucos anos depois.

Devido aos problemas de sua mãe e a ausência do pai, Monroe passou boa parte da infância e adolescência em lares temporários e orfanatos. Em pelo menos uma dessas residências, a jovem foi abusada sexualmente.

Crescendo em Hollywood

Aos 16 anos, Marilyn Monroe se casou com James Dougherty, que na época tinha 21 anos. O matrimônio foi a única maneira da atriz conseguir escapar de sua vida em lares temporários.

Embora Dougherty tenha afirmado posteriormente que amava a atriz, Monroe confirmou que o casamento aconteceu por conveniência, e que a relação “foi insegura desde a primeira noite”.

O primeiro trabalho da atriz em Hollywood foi como modelo. Após fazer sucesso em publicações especializadas, a atriz fechou contratos com a Fox e Columbia.

Com uma carreira artística ainda instável, Monroe aceitou posar nua para o fotógrafo Tom Kelly em troca de 50 dólares, necessários para o conserto de seu carro.

Após a atriz ser lançada ao estrelato, as fotos foram publicadas na revista Playboy – sem o consentimento de Marilyn Monroe.

Relação abusiva

Em 1952, o jogador de baseball aposentado Joe DiMaggio conheceu Marilyn Monroe, e um namoro entre os dois começou pouco depois.

Após dois anos de relacionamento à distância, Monroe e DiMaggio se casaram. A atriz afirmou que se atraiu pelo atleta por sua estabilidade, mas que nunca desejou abandonar sua carreira no mundo do entretenimento.

DiMaggio, por sua vez, queria uma dona de casa como esposa, e odiava o status de sex symbol de Marilyn Monroe.

Os desejos contrastantes e o temperamento possessivo do jogador criaram tensões inegáveis, e a atriz revelou que foi agredida fisicamente por DiMaggio em várias ocasiões.

O casamento não durou nem um ano, e Marilyn pediu o divórcio alegando “crueldade mental” por parte de DiMaggio.

Casamento e affairs

Marilyn Monroe se casou pela terceira vez em 1956, desta vez com o escritor, dramaturgo e roteirista Arthur Miller.

O união foi a mais tranquila entre as várias relações turbulentas da atriz. O romance, porém, durou pouco. Monroe precisava de mais suporte emocional do que Miller poderia dar, e o autor não gostava do estilo de vida agitado da estrela.

Um dos maiores sonhos da vida de Marilyn Monroe era ser mãe. Infelizmente, a atriz morreu sem realizar o grande desejo.

Monroe sofreu vários abortos nos anos 50. A atriz sofria com vício em álcool e drogas, e também tinha endometriose, uma condição uterina que torna extremamente difícil a concepção natural.

Durante seu casamento com Arthur Miller, a atriz também ficou famosa por seus vários affairs. A “escapada” mais famosa de Marilyn Monroe foi com o presidente americano John F. Kennedy. Os dois passaram pelo menos uma noite juntos.

Morte inesperada

Em seus últimos anos de vida, Marilyn Monroe sofreu com o vício em álcool e drogas, principalmente medicamentos analgésicos.

Na época do diagnóstico de sua endometriose, médicos prescreveram poderosos sedativos e barbitúricos para a atriz. De acordo com a PBS, a mesa de cabeceira de Monroe foi encontrada cheia de capsulas de medicamentos na cena de sua morte.

Após seu divórcio de Arthur Miller, Monroe chegou a passar algumas semanas em uma clínica psiquiátrica em Nova York.

Marilyn Monroe foi encontrada morta por sua arrumadeira Eunice Murray na manhã do dia 5 de agosto de 1962. A autópsia declarou que a atriz morreu de uma overdose de remédios, que pode ou não ter sido intencional.

Várias teorias da conspiração surgiram após a morte da estrela. A família Kennedy, a CIA e até mesmo o governo cubano foram apontados como responsáveis, mas nada foi provado.

Marilyn Monroe tinha pouco mais de 36 anos quando faleceu. Complicada, frágil e mal compreendida, a estrela encontrou a fama, mas nunca o amor verdadeiro e a estabilidade que tanto queria.