Ator de As Aventuras de Paddington morre aos 93 anos

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ator britânico Geoffrey Palmer, mais conhecido por seus papéis em 007 – O Amanhã Nunca Morre e As Aventuras de Paddington, morreu. Segundo seu agente, que confirmou seu falecimento à BBC, Palmer morreu em paz em sua casa. Ele tinha 93 anos. A causa da morte não foi informada.

Nascido em Londres, Palmer serviu na Royal Marines entre 1946 e 1948 antes de iniciar sua carreira de ator em uma série de papéis na TV, incluindo em programas como Os Vingadores e The Army Game.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Guardian relata que Palmer teve uma breve passagem pelo palco, aparecendo em várias produções, incluindo a versão de Laurence Olivier de Eden End, de J. B. Priestley, antes de retornar à telinha, onde conseguiu o papel de Lionel Hardcastle em As Time Goes By, que foi exibida de 1992 a 2005, ao lado de Judi Dench, que estrelou como sua ex-amante, e mais tarde atual.

“Oh, meu Deus, como rimos – fizemos nove temporadas de As Time Goes By e é muito numeroso para mencionar quantas vezes”, disse Dench, chamando Palmer de “mestre da comédia”, ao prestar homenagem ao ator em entrevista para a BBC Radio 4.

“Eu costumava ficar lá antes de cada gravação e pensar: ‘Como eu entrei nisso?’ Sempre tive muito medo. Mas não havia necessidade.”

Palmer e Dench se reuniram em 1997 no filme de James Bond, 007 – O Amanhã Nunca Morre, um de seus muitos créditos no cinema.

Ator aclamado no Reino Unido

Seus outros créditos em filmes incluem As Loucuras do Rei George, Um Peixe Chamado Wanda, Sua Majestade, Mrs. Brown e As Aventuras de Paddington. Os créditos de Palmer na TV também incluem Doctor Who, O Santo, Fawlty Towers e Butterflies, entre muitos outros.

Após a notícia de sua morte, muitos dos que trabalharam com Palmer ao longo de sua carreira de décadas prestaram homenagem a ele, incluindo Wendy Craig, sua companheira de elenco em Butterflies.

Lembrando-se de Palmer, Craig disse que “foi uma delícia trabalhar com ele, seu timing era perfeito” e que, apesar de sua “cara um tanto séria”, o ator era “cheio de diversão” pessoalmente.

Craig disse que quando Palmer “ria e quando sorria, todo o seu rosto se iluminava, seus olhos brilhavam. Ele sempre estava disposto a rir e não era uma pessoa séria e pesada em tudo.”

O diretor Edgar Wright, que estava entre os que fizeram homenagens a Palmer, lembrou-se do ator como “brilhantemente engraçado”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio