Cineasta e funcionário do Porta dos Fundos é assassinado no Rio de Janeiro

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O cineasta Cadu Barcellos foi assassinado aos 34 anos no Rio de Janeiro na madrugada de 11 de novembro. A informação é do G1.

O profissional, que fazia parte da equipe do Porta dos Fundos no programa Greg News, teria sido morto em uma suposta tentativa de assalto. Barcellos foi esfaqueado por volta de 3h30 na Avenida Presidente Vargas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Após ser atacado, o cineasta teria tentado gritar por socorro. Mas, quando os policiais chegaram, Barcellos foi encontrado no chão.

Antes do assalto, o profissional estava na Pedra do Sal com uma amiga. Barcellos deixa a esposa e o filho de 2 anos.

Carreira do cineasta

O principal objetivo de Barcellos era mostrar a vida real das favelas do Rio de Janeiro. Nesse sentido, participou de Cinco vezes favela – Agora por nós mesmos, em que fica na direção da história Deixa voar.

Além disso, ficou na direção e roteiro de Mais x favela, do Multishow, e na direção e roteiro do documentário 5x Pacificação. Nesse último, assinou o script ao lado de Wagner Novais, Rodrigo Felha e Luciano Vidigal.

O cineasta também era conhecido por ser assistente de direção do Porta dos Fundos, como citado anteriormente. Barcellos estava no Greg News, da HBO.

Para imprensa, o Porta dos Fundos divulgou uma nota sobre o assassinato do cineasta:

“Hoje nós do Porta dos Fundos acordamos profundamente tristes com a notícia do falecimento de Cadu Barcellos, um profissional amável, gentil, talentoso e dedicado, que trabalhou com a gente como assistente de direção na temporada de 2020 do programa Greg News (HBO). Aguardamos a apuração dessa tragédia e esperamos pela justiça, cientes de que nada pode reparar a perda da vida de uma pessoa tão jovem e querida”.

Além de todos os trabalhos, o cineasta também foi o criador do canal de mídia comunitária Maré Vive. Ao mesmo tempo, atuava em ONGs cariocas com cursos e projetos como o Jpeg, da ONG Promundo. Nele, jovens faziam ações ligadas a igualdade de gênero e saúde com orientação do profissional.

O caso da morte de Barcellos segue em investigação.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio