Publicidade

Após perder os pais, astro de Top Gun parou na indústria pornô

Publicado por Victor Carvalho

18/12/2020 20:30

Jon Hamm se tornou um ator emergente e um símbolo sexual internacional como publicitário e anti-herói Don Draper no drama aclamado pela crítica da AMC, Mad Men: Inventando Verdades.

Desde então, o ator robusto e elegante passou de papéis dramáticos para cômicos com relativa facilidade. Ele até foi escalado para contracenar com Tom Cruise em Top Gun: Maverick.

Mas a vida nem sempre foi fácil para Hamm.

“Já sobrevivi muito na minha vida”, disse ele à People em 2014, acrescentando: “Já tive muitos problemas com muitas coisas. Acho que alguém está cuidando de mim.”

E depois de ler este artigo, você provavelmente concordará com ele. Sua estrada, às vezes traumatizante para o estrelato, começou cedo e ele se viu repetidamente encontrando obstáculos nessa estrada que teriam feito quase qualquer pessoa desistir de seus sonhos.

“Todo mundo tem uma história triste. Tive duas décadas boas e duas ruins. Ninguém foi criado na Terra da Felicidade. Não existe”, explicou ele.

Tudo o que podemos dizer é que Hamm foi perfeitamente escalado para o papel do assombrado Don Draper. Então, afogue suas tristezas nos detalhes trágicos sobre Jon Hamm.

Passado cheio de dificuldades

Quando Jon Hamm tinha apenas 10 anos, sua mãe morreu de câncer de cólon. Seu pai faleceu uma década depois.

“Fui quase adotado pelas famílias dos meus amigos. E ainda hoje recebo e-mails ou cartões de mulheres que, na falta de uma palavra melhor, eram minhas mães… Tive uma sorte incrível de ter essas pessoas aqui, minha vida”, disse a Elle.

O ator de Top Gun: Maverick também dá crédito a suas irmãs por terem sido sua tábua de salvação após a morte de seu pai.

“Minhas irmãs eram minha rede de apoio; morei com minha irmã mais velha por um ano enquanto descobríamos o que estava acontecendo”, disse ele ao Stylist em 2014.

“Elas são do primeiro casamento do meu pai e são sete e 11 anos mais velhas que eu. Elas moram em St. Louis e têm filhos adultos e um deles agora tem um neto, então eu sou o tio esquisito que mora na Costa Oeste.”

Hamm acrescentou que perder seus pais muito jovem o forçou a se tornar “uma pessoa independente muito jovem” e a lidar com “uma situação de abandono que inevitavelmente se instala em seu ser”.

O ator de Top Gun: Maverick acrescentou: “Não há atalhos para o luto e é difícil aprender essa lição jovem, porque quando você é apresentado ao conceito real de ‘para sempre’, é muito difícil. Fica melhor, mas nunca vai embora.”

Em um perfil de 2012 na Men’s Health, Jon Hamm revelou que depois de seu tempo na Universidade de Missouri, ele fez as malas e se mudou de St. Louis para Los Angeles em 1995 com US$ 150 que havia economizado.

Seu carro foi então retomado depois que Los Angeles o atingiu com mais de US$ 1.600 em multas de estacionamento não pagas. Depois de encontrar trabalho na profissão clássica de atores em dificuldades – servir mesas -, Hamm encontrou trabalho como cenógrafo na indústria pornô.

“Uma amiga minha da faculdade – uma garota – não aguentava mais trabalhar no set tóxico de filmes adultos do centro da cidade”, disse ele.

“Parecia uma maneira maravilhosa de passar 12 horas por dia, cinco dias por semana por US$ 150 por dia… não sindicalizado, sem benefícios, apenas um trabalho com um monte de peitos e pessoas tristes. Hollywood é assim!”

Felizmente, ele conheceu sua ex-parceira, Jennifer Westfeldt, em uma festa e ela o convidou para fazer um teste para um papel não pago em sua peça.

“Basta dizer que, quando Jen ligou com uma oportunidade real de atuação, meus dias como cenógrafo – ao todo, cerca de um mês – acabaram”, revelou.

Hamm então passou seis meses morando no sofá de um amigo enquanto se apresentava na peça e continuava à procura de trabalho. A peça de Westfeldt acabou se transformando na comédia romântica independente de 2001 Beijando Jessica Stein, que se tornou o segundo papel de Hamm no cinema.

Publicidade