Estrela de Doutor Estranho revela que é queer

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A estrela de Doutor Estranho, Tilda Swinton, revelou que ela se identifica como queer, em uma nova entrevista.

Swinton estava explicando como sua carreira a colocou em contato com outras almas únicas que a ajudaram a encontrar um senso de identidade e pertencimento.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como disse a atriz vencedora do Oscar: “Estou muito ciente que queer tem, na verdade, para mim, a ver com sensibilidade. Sempre me senti queer – estava apenas procurando o meu circo queer e o encontrei. E tendo encontrado, é o meu mundo.”

Swinton é a mais nova estrela de Hollywood a dar uma atualização oficial sobre seu status LGBTQIA+, após o recente anúncio de Elliot Page.

A estrela de Doutor Estranho explicou ainda à Vogue que foram visionários criativos como Wes Anderson e Jim Jarmusch que realmente a ajudaram a encontrar seu senso de pertencimento familiar: “Agora eu tenho uma família com Wes Anderson, tenho uma família com Bong Joon-ho, eu tenho uma família com Jim Jarmusch, tenho uma família com Luca Guadagnino, com Lynne Ramsay, com Joanna Hogg.”

Como afirmado, Swinton parece fazer parte de uma tendência crescente de estrelas que estão atualizando ou revelando seu status de identificação. É claro que isso está acontecendo de acordo com a crescente consciência e aceitação geral de ideias mais diversas de gênero e identidade sexual, em um debate social contínuo.

Aclamada estrela do cinema

Ironicamente, muitos fãs de cinema provavelmente concordariam que Tilda Swinton tem sido um ícone queer discreto, muito antes de falar abertamente o termo.

A aparência única da atriz de Doutor Estranho e a escolha de papéis muitas vezes afastam as representações típicas de personagens com gênero fixo.

Por exemplo: a maioria dos fãs de quadrinhos ainda adora Swinton como uma versão andrógina do anjo Gabriel no filme com Keanu Reeves, Constantine, e até mesmo sua versão da figura mística da Marvel, Anciã, em Doutor Estranho, carregava tons de gênero neutro no design.

Até mesmo a Feiticeira Branca de Swinton nos filmes de As Crônicas de Nárnia veio com algum estilo de mistura de gênero bem sutil.

Ela assumiu facilmente papéis femininos distintos, interpretando mulheres poderosas em filmes como Expresso do Amanhã, Conduta de Risco ou uma mãe traumatizada em Precisamos Falar Sobre o Kevin. Os limites típicos parecem infinitamente frágeis para Swinton ultrapassar como quiser.

Com o passar do tempo, Tilda Swinton pode muito bem ser um exemplo celebrado de uma estrela que ajudou a trazer queer para o destaque – enquanto ainda é imensamente amada e celebrada por um amplo espectro de pessoas. E com razão.

No Brasil, Doutor Estranho, com Tilda Swinton como Anciã, está agora disponível no Disney+.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio