Angelina Jolie consegue grande e aguardada vitória; veja

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com uma carreira de mais de 30 anos, Angelina Jolie se estabeleceu com uma das atrizes mais conceituadas de Hollywood, na frente e por trás das câmeras.

Em seu casamento com Brad Pitt, Angelina Jolie teve 6 filhos: Maddox, Pax, Zahara, Shiloh, Vivienne e Knox.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Descrita como “uma das figuras mais influentes da indústria do entretenimento”, Jolie também é conhecida por seus importantes trabalhos humanitários, principalmente na defesa dos refugiados.

Na última semana, a atriz garantiu uma importante vitória em sua iniciativa humanitária na Organização das Nações Unidas.

Confira abaixo!

Vitória de Angelina – e das mulheres!

Uma campanha criada por Angelina Jolie – contra os estupros e abusos sexuais em situação de guerra – gerou importantes sanções da ONU contra um chefe de polícia do Iêmen, por graves violações ao direitos humanos.

O Conselho de Segurança da ONU impôs sanções ao Sultão Saleh Aida Aida Zabin, um dos grandes chefes de polícia de Sana’a, a capital do Iêmen.

A justificativa para as sanções é o “papel proeminente de Zabin em intimidação policial, detenções, tortura, violência sexual e estupros de mulheres ativas na política”.

Essas são as primeiras sanções das Nações Unidas contra um perpetrador de violência sexual em um conflito no Oriente Médio ou Norte da África.

Angelina Jolie se juntou a William Hague – o Ministro de Relações Exteriores do Reino Unido na administração de David Cameron – para lançar a iniciativa contra a violência sexual em 2012. Segundo especialistas, os esforços da atriz foram essencial para a aprovação das novas sanções.

“Esse é um grande dia para as mulheres do Iêmen e para a justiça que merecem”, afirmou a baronesa Arminka Helic, outra grande contribuinte da campanha.

A ativista, no entanto, afirmou que apenas as sanções não serão suficientes para acabar com o sofrimento das mulheres do Iêmen.

“É apenas o primeiro passo. Espero que aquelas que sofreram nas mãos desses homens um dia tenham a oportunidade de depor em um tribunal – e vê-los condenados”, comentou Helic.

A resolução do Conselho de Segurança da ONU – adotada por um voto de 14-0 – afirmou que o Sultão Saleh Aida Aida Zabin é responsável por usar múltiplos locais de detenção, como delegacias e prisões do estado, para o abuso de direitos humanos.

“Nesse lugares, mulheres (pelo menos uma menor de idade) desaparecem, são interrogadas sem advogados, estupradas, torturadas, têm tratamentos médicos negados e são obrigadas a trabalhar em regime de escravidão”, afirmou o conselho.

O conflito no Iêmen é um dos maios violentos do mundo árabe, e acontece desde 2014. A guerra começou quando rebeldes Houthi – apoiados pelo governo do Iraque – dominaram a capital Sana’a e grande parte do norte do país.

A guerra matou mais de 130 mil pessoas e deu início a uma dos maiores desastres humanitários do mundo moderno.

“O uso de violência sexual como uma arma é um crime terrível, e o Reino Unido vai continuar a denunciar os perpetradores”, comentou um representante do país.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio