Michael Jackson usava disfarces para se misturar entre os fãs

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O imitador de Michael Jackson, Navi, foi contratado pelo cantor como isca. Enquanto trabalhava com o cantor de Thriller, Navi chamava a atenção dos fãs e da imprensa para que Michael Jackson pudesse viajar entre as locações sem ser perseguido por seu adorado público.

O imitador falou sobre o trabalho com o falecido cantor, onde revelou o quanto Jackson “amava seus fãs” e até se esgueirou na multidão para estar com eles.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista à Entertainment Tonight em 2017, Navi revelou: “Se vocês conhecessem Michael Jackson, ele atenderia o telefone. Ele adoraria atender o telefone para seus fãs. Ele ficou muito desconectado contra sua própria vontade.”

A popularidade de Jackson cresceu ao longo das décadas de 1980 e 1990 a ponto de muitos de seus fãs acamparem do lado de fora de seus hotéis à noite.

Navi se lembrou de uma dessas ocasiões, dizendo: “Eu estive com ele em um quarto de hotel e olhei para os fãs que estavam se reunindo. Ele às vezes colocava roupas e disfarces e ia lá.”

“Ele mandava pizza no meio da noite porque estava frio! Ele amava seus fãs.”

Navi trabalhou para o Rei do Pop por 17 anos como seu dublê e chamariz.

Forte amor pelos fãs

Após a morte de Michael Jackson, Navi passou a interpretar Jackson na cinebiografia do Lifetime de 2017, intitulada Michael Jackson e Neverland.

Como um fã de longa data do cantor, Navi fez questão de elogiar a estrela e o apoio que ele constantemente deu a seus fãs.

Talvez a maior demonstração de afeto que a estrela deu a seus seguidores foi convidá-los para sua casa, o rancho Neverland, em 2004.

A comitiva do cantor de Earth Song distribuiu convites para sua casa durante sua batalha no tribunal. Jackson estava contestando sete acusações de abuso sexual infantil e duas acusações de dar álcool a uma criança.

Mais de um ano depois, em 13 de junho de 2005, Michael Jackson foi absolvido de todas as acusações.

Um dos jurados disse: “Esperávamos melhores evidências, algo um pouco mais convincente. Simplesmente não estava lá.”

Jackson deu esses convites aos fãs que estavam fora de sua audiência no tribunal.

Os convites diziam: “No espírito de amor e união, Michael Jackson gostaria de convidar seus fãs e apoiadores para seu rancho Neverland.”

O convite acrescentava: “Junte-se a nós na sexta-feira, 16 de janeiro de 2004, das 11h às 14h. Refrescos serão servidos. Nos vemos lá.”

Jackson também forneceu instruções de Santa Maria para seu rancho Neverland.

De acordo com o Sydney Morning Herald, o cantor também pagou ônibus para transportar dezenas de fãs de Los Angeles até sua casa.

Jackson teria chamado esses ônibus de “Caravanas do Amor”.

O rancho Neverland tinha uma infinidade de atrações para os fãs desfrutarem, incluindo um zoológico em tamanho real e uma coleção de atrações de carnaval.

Neverland ficou com a propriedade de Michael Jackson após sua morte. Em dezembro de 2020, Neverland foi vendido ao bilionário Ron Burkle, que o comprou por US$ 22 milhões – menos de um quarto do preço pedido.

Jackson morreu em 25 de junho de 2009 enquanto se preparava para seus shows finais de residência em Londres, Reino Unido.

Sua morte foi tratada como homicídio. O médico da estrela, Conrad Murray, foi condenado por homicídio culposo após dar a Jackson um coquetel de drogas, incluindo propofol e os benzodiazepínicos lorazepam e midazolam.

Murray cumpriu dois anos de sua sentença de quatro anos de prisão e foi libertado em 28 de outubro de 2013.

Michael Jackson tinha 50 anos de idade quando morreu, em 2009.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio