Homem-Formiga levou a melhor na disputa com os “heróis” de Pixels e se manteve em primeiro lugar nas bilheterias norte-americanas.

O filme da Marvel arrecadou mais US$ 24,8 milhões entre sexta (24) e domingo (26) – o pior fim de semana desde 24 de abril – elevando seu faturamento doméstico para US$ 106 milhões.

Leia a crítica de Homem-Formiga


Na aventura, o vigarista Scott Lang (Paul Rudd), dotado com a incrível capacidade de diminuir em escala mas crescer em força, precisa assumir o lado heróico e ajudar seu mentor, Dr. Hank Pym (Michael Douglas), a proteger os segredos por trás do espetacular traje do Homem-Formiga de uma nova geração de ameaças. Contra obstáculos aparentemente intransponíveis, Lang e Pym precisam planejar e realizar um assalto que salvará o planeta.

O filme, em cartaz no Brasil desde o dia 16, ainda traz no elenco Corey Stoll como o vilão Jaqueta Amarela, Judy Greer como Maggie e Evangeline Lilly como Hope Van Dyne.

Pixels, filme sobre a invasão dos games no mundo real, teve uma estreia decepcionante, ficando em segundo lugar com US$ 24 milhões. A Sony esperava uma abertura maior para a comédia de ação, que custou US$ 88 milhões, mas as duras críticas não ajudaram.

Leia a crítica de Pixels

Quando eram crianças, na década de 1980, Sam Brenner (Adam Sandler), Will Cooper (Kevin James), Ludlow Lamonsoff (Josh Gad) e Eddie “Fire Blaster” Plant (Peter Dinklage) salvaram o mundo milhares de vezes – ao custo de US$ 0,25 centavos de dólar por jogo nos fliperamas. Agora, eles terão de fazê-lo de verdade. Em Pixels, quando alienígenas intergalácticos descobrem feeds de vídeo de jogos clássicos de fliperama e os interpretam equivocadamente como uma declaração de guerra, eles atacam a Terra, usando os videogames como modelos para seus ataques – e agora o presidente Cooper dos Estados Unidos precisa convocar seus velhos amigos dos antigos fliperamas para salvar o mundo de ser destruído pelo Pac-Man, Donkey Kong, Galaga, Centopeia e Space Invaders. Junta-se a eles, a tenente-coronel Violet Van Patten (Michelle Monaghan), especialista que fornecerá aos “Arcaders” armas exclusivas para lutar contra os alienígenas.

Minions caiu uma posição, aparecendo em terceiro lugar com US$ 22 milhões. O derivado de Meu Malvado Favorito já acumulou US$ 261,6 milhões apenas nos EUA.

Leia a crítica de Minions

Os Minions são seres amarelos unicelulares e milenares, eles têm uma missão: servir os maiores vilões. Em depressão desde a morte de seu antigo mestre, eles tentam encontrar um novo chefe. Três voluntários vão até uma convenção de vilões e lá se encantam com Scarlet Overkill (Sandra Bullock), que ambiciona ser a primeira mulher a dominar o mundo.

Descompensada (Trainwreck) também desceu uma posição, ficando em quarto lugar com US$ 17,3 milhões. A comédia escrita e estrelada por Amy Schumer – este é o primeiro filme da humorista como protagonista – soma US$ 61,5 milhões nos EUA.

Dirigido por Judd Apatow (Ligeiramente Grávidos, O Virgem de 40 Anos), o filme gira em torno de uma jovem (Schumer) que acredita ser incapaz de ter um relacionamento sério, mas apaixona-se por um cara decente e quase sabota as coisas antes de ganhá-lo de volta.

Woody Allen garante: “Amy Schumer é melhor do que eu”

Descompensada estreia no Brasil em 24 de setembro.

Outro lançamento do fim de semana, o drama de boxe Nocaute, estrelado por Jake Gyllenhaal, fechou o top 5 com US$ 16,5 milhões, valor acima do esperado.

O filme acompanha a história de um boxeador peso-médio canhoto que tem uma ascensão rápida e uma queda dramática, assim como sua luta decisiva para recuperar o antigo prestígio. Rachel McAdams, Forest Whitaker, Rita Ora, Naomie Harris e 50 Cent completam o elenco.

Jake Gyllenhaal é lutador descontrolado no novo trailer e pôster do filme

Dirigido por Antoine Fuqua (O Protetor, Dia de Treinamento), Nocaute estreia no Brasil em 10 de setembro.

Cidades de Papel, nova adaptação do autor John Green (A Culpa é das Estrelas), estreou em sexto lugar com US$ 12,5 milhões.

Os analistas previam uma bilheteria inicial maior, tendo em vista os US$ 20 milhões da abertura de A Culpa é das Estrelas. Ainda assim, o novo filme de Green, orçado em US$ 12 milhões, deve ter uma carreira rentável. Cidades de Papel entrou em cartaz no Brasil em 9 de julho.