Em entrevista ao Uproxx, Jason Bateman sugeriu que a sequência da comédia Quero Matar Meu Chefe foi desnecessária e revelou que a bilheteria aquém do esperado do segundo filme cancelou os planos para uma nova sequência.

“Muitas pessoas assistiram ao primeiro filme, mas tem muitos filmes que fazem muito dinheiro e que apesar disso ninguém está interessado em ver mais um. O original foi engraçado, rendeu alguma grana. O segundo filme foi um lixo, em termos de bilheteria. Quem sabe se isso foi mérito do próprio filme ou por causa da sua época de lançamento, mas ele não fez dinheiro suficiente”, confessou.

Inesperado hit de bilheteria em 2011, Quero Matar Meu Chefe arrecadou US$ 206 milhões pelo mundo. Já Quero Matar Meu Chefe 2 não conseguiu repetir o mesmo sucesso e faturou pouco mais da metade do original, US$ 106 milhões, no ano passado.


Na continuação, os amigos Nick (Jason Bateman), Dale (Charlie Day) e Kurt (Jason Sudeikis) resolvem abrir seu próprio negócio e viram os chefes. O problema é que, quando a companhia começa a deslanchar, eles sofrem um golpe do investidor (Christoph Waltz) que bancou o negócio. Sem ter como recorrer à meios legais, o trio decide partir para um ato desesperado: sequestrar o filho do investidor (Chris Pine) e, com o dinheiro do resgate, pagar a dívida para manter a empresa.