Pouco antes da exibição da cinebiografia oficial de Steve Jobs, no New York Film Festival, o protagonista Michael Fassbender, o diretor Danny Boyle, o roteirista Aaron Sorkin e o autor Walter Isaacson participaram de uma coletiva de imprensa. Um dos questionamentos mais feitos foi a falta de semelhança entre Fassbender e Jobs até o terceiro ato do filme – quando o ator fica mais envelhecido e um pouco mais parecido com o criador da Apple.

“Óbvio que eu não sou nenhum pouco parecido com Steve Jobs, reconheceu Fassbender. “Essa foi a primeira coisa que eu disse para Danny [Boyle]. Christian Bale se parece muito mais com Steve do que eu. Mas aparência não era no que Boyle estava interessado. Ele se importou mais com energia e espírito”, disse, se referindo ao fato de Bale ter sido escalado para o papel antes dele.

Sobre seu laboratório para o filme, Michael Fassbender brincou: “Eu estudei Ashton Kutcher [astro da cinebiografia não oficial de Steve Jobs], declaração que arrancou aplausos da plateia.


CEO da Apple chama filme de oportunista; roteirista rebate crítica

Recentemente exibido no Festival de Veneza, Steve Jobs recebeu muitos elogios dos críticos e aumentou o burburinho para suas chances no Oscar 2016. O longa dirigido por Danny Boyle foi chamado de um “Cidadão Kane moderno” e também comparado com A Rede Social, um dos últimos trabalhos do roteirista Aaron Sorkin. A atuação de Michael Fassbender como Steve Jobs também foi elogiada – leia mais.

Filme quase não é sobre Jobs

Baseada na biografia escrita por Walter Isaacson, o longa retrata três momentos importantes da vida do inventor, empresário e magnata Steve Jobs, vivido por Michael Fassbender: os bastidores do lançamento do computador Macintosh, em 1984; da empresa NeXT, doze anos depois; e do iPod, no ano de 2001.

Jeff Daniels, Kate Winslet e Seth Rogen também estão no elenco.

Fassbender é um pensador no primeiro cartaz do filme

Dirigido por Danny Boyle (Quem Quer Ser um Milionário?), o filme Steve Jobs estreia no Brasil em 21 de janeiro de 2016.