Em entrevista ao Deadline, o diretor George Miller explicou por que Mel Gibson, o Mad Max original, não deve retornar na franquia apocalíptica, agora estrelada por Tom Hardy.

“Ele não pode aparecer nesses novos filmes por uma simples razão: se Mel, que é Max na memória de muitas pessoas, aparecesse no próximo filme, tiraria a atenção do público um pouco, e nós trabalhamos muito duro para manter as pessoas imersas no filme o máximo possível. Seria como ver Roger Moore aparecendo em um filme de James Bond com Daniel Craig. Seria divertido, mas também tiraria sua atenção do filme”, justificou.

O cineasta também aproveitou para negar que a continuação de Mad Max: Estrada da Fúria será chamada de Mad Max: The Wasteland, conforme se especulava.


“Quanto mais eu especulo sobre o que vai acontecer [com a franquia], mais eu tento evitar os spoilers. Então, a melhor coisa que posso dizer, é que definitivamente estamos conversando sobre fazer mais filmes, mas quando, eu não sei. Provavelmente o novo não vai se chamar Wasteland. Isso eu posso dizer. Era apenas um título provisório”, explicou.

Tom Hardy voltará como Max Rockatansky, mas Charlize Theron não teve seu retorno garantido na pele da Imperatriz Furiosa. A informação foi revelada pelo diretor George Miller em entrevista recente ao Digital Spy.

“Eu não tenho certeza é a resposta. Ela não está na história da sequência, mas em uma das cenas há uma interação entre Max e Furiosa. Eu realmente não posso dizer mais que isso, porque a sequência ainda está andamento”, disse o cineasta, implicando que talvez haja uma esperança de Furiosa ser inserida posteriormente na trama.

Mad Max: Estrada da Fúria revisita a trilogia pós-apocalíptica do diretor George Miller, que começou em 1979 com o anti-herói conhecido como Mad Max. Tom Hardy protagoniza o filme no papel de Max Rockatansky ao lado de Charlize Theron, Nicholas Hoult, Zoe Kravitz, Riley Keough, Hugh Keays-Byrne e Rosie Huntington-Whiteley.