As diferenças e semelhanças entre Batman vs Superman e Capitão América: Guerra Civil

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

É um dito comum entre os nerds hoje em dia: que época maravilhosa para ser fã de quadrinhos. As adaptações das revistas de super-heróis da Marvel e da DC são absolutamente as forças dominantes tanto no cinema quanto na TV americana, e outras propriedades nerds (de As Crônicas de Gelo e Fogo, que virou Game of Thrones, passando por filmes cult e vídeo games) estão tomando conta das beiradas deixadas pelo fenômeno dos super-heróis. De fato, que época maravilhosa.

Especialmente em 2016, no entanto, essa é também uma época absolutamente fascinante para ser espectador de filmes de super-heróis. Ainda não vimos X-Men: Apocalipse nem Doutor Estranho. O mais novo representante do gênero é Capitão América: Guerra Civil e seu material promocional combinado com o teor da história dos quadrinhos que ele “adapta”, cria um caso de estudo interessante com o outro grande filme de quadrinhos do ano, Batman Vs Superman.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevistas recentes, os Irmãos Russo, diretores de Guerra Civil, confessaram (veja aqui) que o interesse em fazer o terceiro filme do Capitão só existiu, para eles, graças à carta branca que a Marvel os deu para inovar e desconstruir o padrão de narrativa e o mito de super-herói estabelecido pelos oito anos de 12 filmes lançados anteriormente pelo estúdio. Ainda citaram Batman Vs Superman como o momento em que Kevin Fiege, o chefão da Marvel Studios, se deu conta de que era mesmo hora de desconstruir esse universo.

Os Irmãos Russo não quiseram dizer isso de uma maneira maliciosa – pelo contrário, colocaram que Batman Vs Superman, em muitos sentidos, tenta destronar a noção do super-herói como salvador, e questionar as suas ações, sua moralidade, sua conveniência e validade política. E foi apenas frente a esse mastodonte de um filme criado por Zack Snyder que Kevin Fiege se deu conta de que essa era a hora da Marvel fazer o mesmo com os seus personagens.

Por que agora?

É curioso pensar porque estamos tentando desconstruir a imagem do super-herói nesse momento da nossa história e da nossa filmografia. Sim, a saturação da mania dos filmes dos justiceiros fantasiados tem um pouco a ver com isso – com quase uma década de universo cinematográfico Marvel, e mais uma infinidade de filmes (fracassados ou não) vindos de outras fontes, incluindo a DC, essa bolha eventualmente teria que explodir. Como a sabedoria popular nos ensina: quanto mais alto, maior o tombo.

Tanto a Marvel quanto a DC estão se colocando à frente desse perceptível tombo, buscando maneiras de mudar os blocos fundamentais de seus universos e de trazer questionamentos novos e interessantes para um público que, quanto mais familiar se torna com a fórmula do gênero, mais busca por algo que fuja dessa fórmula. Nenhuma prova maior disso que o sucesso de Deadpool, uma versão satírica desse mesmo tipo de desconstrução da própria noção de super-herói e dos clichês do estilo.

Um tempo atrás, seria um pouco difícil acreditar que de fato o público fosse tão exigente. E embora, sim, blockbusters sem cérebro como Transformers e Alvin e os Esquilos (!) ainda façam muito dinheiro, uma fatia do público está começando a se acostumar com pratos mais finos, de Mad Max: Estrada da Fúria até a trilogia Batman de Christopher Nolan. O poder das redes sociais tem a ver com isso também, a inflamação de opiniões trazida pela internet e pela reação imediata que filmes, trailers e escalações recebem no ambiente online. Uma Hollywood em que o público manda mais que os estúdios, no final das contas, acabou sendo uma ótima ideia.

A lógica dos heróis falíveis

No entanto, precisamos pensar um pouco mais a fundo do que isso se formos entender por completo esse fenômeno. Um paralelo interessante a se fazer é sobre o recente ressurgimento do cinema de terror, que passou por uma fase ruim com poucos respiros nas últimas décadas – por mais que os primeiros filmes de M. Night Shyamalan, a franquia Pânico e o espetacular Os Outros, de Alejandro Amenábar, fossem pontos brilhantes na escuridão, o gênero (e os filmes de sucesso do gênero) em geral se limitava a produções voltadas para o público adolescente, com pouca profundidade e pouca intenção realmente declarada de assustar.

Isso até uma nova geração de diretores assumir a cadeira, trazendo de volta histórias de assombração que agradaram ao público e à crítica, vide A Casa do Diabo (2009), Você é o Próximo (2011), A Entidade (2012), Invocação do Mal (2013), O Espelho (2013), The Babadook (2014), Corrente do Mal (2014) e A Bruxa (2015). E o que todos esses filmes tem em comum? Bom, de uma forma ou de outra, eles são contos de monstros dos quais não podemos escapar – o truque não e mais matar o assassino, como era na época de A Hora do Pesadelo e Sexta-Feira 13, mas aprender a conviver com ele.

O gênero do terror sempre foi um forte indicador dos nossos medos coletivos como sociedade, e assistir a esses filmes, que quase unanimemente não terminam bem, é constatar que nosso medo hoje em dia é do inevitável. E isso reflete uma mentalidade muito mais permissiva e realista da condição humana, num sentido em que aceitamos o tempo (Corrente do Mal), o luto (The Babadook), a desconfiança (Você é o Próximo) e a obsessão midiática (A Entidade) como a nossa ruína, e buscamos maneiras de abraçar essas falhas para que possamos seguir com nossas vidas.

O que isso significa para a nossa mania por narrativas de super-heróis? Em suma, significa a queda desses ideais que observamos por tanto tempo atuando como os braços da justiça em um mundo em que ela não funciona. Significa a ambiguidade moral e política chegando a um universo que anteriormente não a aceitava. Significa questionar os atos e as consequências dos atos desses justiceiros, e refletir se a justiça que eles fazem é mesmo a que a gente precisa.

Significa também, para os personagens, que o público não deve mais estar disposto a perdoar todas as suas falhas e relevar todos os seus comportamentos condenáveis. Não se trata de fazer dos heróis mais politicamente corretos ou politicamente incorretos, mas de torna-los de fato políticos (e humanos), criar narrativas que são naturalmente mais complexas por isso. Um herói falível em um mundo imperfeito é o equivalente, para os filmes de quadrinhos, ao monstro que não conseguimos matar no cinema de terror. Ambos nos assustam, nos causam estranhamento, e talvez até nos façam querer voltar para um tempo em que as coisas eram mais simples – mas não só esse caminho não tem mais volta, como o universo dos super-heróis está muito mais interessante agora do que jamais foi.

As diferenças

Já deu para entender que, basicamente, é nesse sentido que Capitão América: Guerra Civil e Batman Vs Superman se alinham, né? São ambos explorações de um universo de super-heróis que não é mais só entretenimento, que tem algo a dizer, e que faz uma reflexão importante de ser ouvida sobre o mundo em que vivemos. Esse pulo das adaptações de super-heróis para um nível mais sério e interessante obviamente não iria descer bem com todos os críticos, especialmente aqueles que condenam ambição quando a veem em grandes filmes dos estúdios hollywoodianos (porque sim, esses críticos mesquinhos existem).

A má recepção crítica de Batman Vs Superman, com raras exceções de reviews negativos bem-fundados e que representam uma visão válida sobre o filme como obra estética e narrativa, basearam suas notas baixas na forma como Snyder pareceu “se levar a sério demais”. O curioso é que, quando a Marvel decidiu se levar muito mais a sério do que jamais se levou, em ambos os filmes dos Irmãos Russo até agora, o mesmo massacre crítico não aconteceu – e acreditem, a questão aqui não é só de qualidade das produções, mas se estratégia, marketing e timing.

Primeiro, é notável que a Marvel preparou mais o terreno para esse novo nível em suas adaptações. É admirável o que a Warner e a DC fizeram ao sair imediatamente com um filme que analisava a fundo o mito do super-herói, e do super-herói mais reconhecível da história, com O Homem de Aço. É também uma estratégia mercadológica e artística pouco inteligente – com a Marvel, a construção do universo e a nossa familiaridade maior com ele faz com que o aumento das expectativas e ambições pareça mais natural. Guerra Civil parece o clímax de uma era dentro do estúdio, com Guerra Infinita o seguindo para selar certos momentos e personagens no futuro, e também para mantê-los por perto.

Apesar de Capitão América: Guerra Civil ter também a responsabilidade de se encaixar na continuidade do universo cinematográfico maior da Marvel, o peso em cima do filme dos Russo não se compara as muitas restrições que o ambicioso Batman Vs Superman sofreu por ter a obrigação de ser a pedra fundadora de um outro universo cinematográfico. A narrativa do filme pareceu freada e constringida, em muitos momentos, por essas obrigações, e talvez por isso muitos críticos tenham sentido (não sem pelo menos alguma razão) que o filme não se elevou ao potencial que tinha.

Independente disso ou daquilo, no entanto, o importante é que os super-heróis nunca foram tão absurdamente complexos, humanos, questionáveis e interessantes quanto agora. Como também nos diz a sabedoria popular, embora essa seja mais restrita aos cinéfilos de plantão: o filme que te faz perguntas é muito melhor que o filme que te dá respostas. Batman Vs Superman e Guerra Civil são espetáculos de efeitos especiais com corações de aventuras hollywoodianas, mas lá no fundo são também narrativas inquietantes e incômodas, de uma forma que o gênero nunca se permitiu ser antes.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio