O diretor irlandês John Carney, que trabalhou com Keira Knightley no musical Mesmo se Nada Der Certo, de 2013, ganhou manchetes recentemente ao criticar a atuação da moça em seu filme – mas parece que o cineasta ganhou mais inimigos que amigos nessa brincadeira.

Carney, que elogiou Mark Ruffalo e Adam Levine, companheiros de cena de Keira no filme, disse: “A coisa de Keira é esconder quem ela é de verdade, e eu não acho que você pode ser uma atriz dessa forma. Eu não quero falar mal dela, mas ser um ator de cinema é difícil e requer um certo nível de honestidade e auto-análise para o qual eu não acho que ela está pronta. Para o qual ela definitivamente não estava pronta quando fizemos o filme”.

Collateral Beauty | Keira Knightley se junta a Will Smith no filme


Knightley se manteve em silêncio sobre a polêmica, mas seus colaboradores não. Em resposta, o diretor americano Mark Romanek, que trabalhou com Keira em Não Me Abandone Jamais, chamou Carney de “um arrogante de m****”.

“Minha experiência com Keira Knightley foi absolutamente espetacular em todos os níveis. Eu não tenho a mínima ideia sobre o que esse cara está falando”, escreveu Romanek no Twitter.

Intimada por um fã, a diretora Lorene Scafaria, que trabalhou com Knightley em Procura-se Um Amigo Para o Fim do Mundo (2012), também se pronunciou:

“Eu concordo com Mark. Foi um prazer trabalhar com Keira. Muito presente e fácil de se lidar, além de muito, muito boa em seu trabalho. Simplesmente adorável”, escreveu a diretora.

Apesar de não ter trabalhado com a atriz britânica, Ava DuVernay (Selma) também criticou a atitude do seu colega diretor:

“Há atores que cineastas não chamam de volta para os próximos trabalhos, por qualquer razão que seja. Mas não fique os difamando na imprensa. Vamos lá”, tweetou a diretora.