Após revelar que Homem de Ferroquase teve uma vilã feminina, o diretor Shane Black continua reascendendo polêmicas conectadas ao seu filme da franquia estrelada por Robert Downey Jr. Agora, o assunto é o vilão Mandarim (Ben Kingsley), e por que a Marvel teve que “se desculpar” aos fãs pela nova versão do clássico inimigo do Homem de Ferro.

No filme, o Mandarim é na verdade um ator contratado para se passar por terrorista. No entanto, é revelado no curta-metragem All Hail the King que há um verdadeiro Mandarim, presumivelmente com todos os poderes “mágicos” dos quadrinhos, e que ele não está muito satisfeito com a farsa posada pelo personagem de Kingsley.

“Eu quero agradar o público. Marvel viu tantas reações negativas à nossa versão do Mandarim que fizeram todo um outro filme só para ‘se desculpar'”, disse Shane Black ao Uproxx. “Eles tiveram que dizer ‘não, não, não, esse não era o Mandarim, existe um Mandarim de verdade ele ainda vai aparecer no futuro’, porque os fãs ficaram furiosos”.


O diretor ainda revelou que ele e a Marvel não imaginavam que a mitologia do Mandarim era tão icônica a ponto de provocar essa reação dos fãs. “No filme, se fôssemos fazer o Mandarim de verdade, teríamos que inventar alguma explicação. Nos quadrinhos, é literalmente magia, e isso não existia no universo Marvel da época. Mas eu amo os fãs, e gostaria de tê-los agradado mais”, finalizou Black.

“Sinto que poderia fazer mais um Homem de Ferro”, diz Robert Downey Jr

Os três filmes do Homem de Ferro arrecadaram juntos US$ 2 bilhões pelo mundo, mas não há indícios de que a Marvel tenha interesse em fazer a quarta parte da franquia.