Publicidade

Os mutantes de X-Men: Apocalipse | Letal e poderosa, Psylocke derrotaria Wolverine e Deadpool

Publicado por Redação

18/05/2016 12:38

Olivia Munn descreveu a personalidade de Psylocke, mutante que interpreta em X-Men: Apocalipse, durante entrevista via CNet:

“Eu amo Psylocke há muito tempo. Ela é uma personagem feminina muito forte no mundo dos quadrinhos, em que muitas vezes as mulheres não são tão fortes e duronas. Você vê um monte de super-heróis que nem sempre querem matar, e eles vão evitar fazer isso se puderem, mas ela nunca teve problemas em matar. E gosto de fazer o ‘cara mau’ que não ter nenhum problema com isso”.

Já no seu Twitter, a atriz alegou que Psylocke derrotaria Deadpool e Wolverine sem problemas em uma luta:

“No final das contas, ela é telecinética, então ela pode criar o que ela quiser com a sua mente e vencer essa batalha”, justificou a atriz.

Os poderes

Por falar nisso, Olivia Munn também comentou um pouco sobre os poderes de Psylocke:

“Ela é telecinética e telepática, pode ler sua mente. Ela pode criar qualquer coisa com sua mente. Para ganhar uma briga, ela pode criar uma montanha e fazê-la cair sobre você, mas ela escolhe criar uma espada para que ela possa matar de perto e pessoalmente. Eu sempre achei ela muito legal e durona”.

Quase ficou de fora

Psylocke fará sua estreia nos cinemas em X-Men: Apocalipse, mas ela quase não entrou no filme.

“Sabíamos que o Professor X seria sequestrado no meio do filme, e pensamos que ele poderia ser o quarto cavaleiro do Apocalipse no lugar da Psylocke”, contou o roteirista Simon Kinberg ao Cinema Blend. “Não haveria um quarto cavaleiro porque a ‘surpresa’ seria que Xavier era o quarto cavaleiro. Mas em um momento bem adiantado no processo nós pensamos ‘ele não está funcionando como um cavaleiro do Apocalipse, ele nem faz nada no terceiro ato do filme'”.

“Quando começamos a conversar sobre quem então poderia ser o quarto cavaleiro, olhamos literalmente a lista completa de personagens que já passaram por essa posição nos quadrinhos, e eu achei que Psylocke seria a mais interessante”, continuou o roteirista. “E eu tinha acabado de conhecer Olivia Munn em um teste para Deadpool, e disse à Bryan [Singer, o diretor] que ela seria uma escolha interessante. Bryan colocou o nome dela no Google e literalmente uma das primeiras imagens era uma fanart dela como Psylocke”.

Sim para X-Men, não para Deadpool

Como Kinberf adiantou, Munn inicialmente foi sondada pela Fox para coestrelar Deadpool ao lado de Ryan Reynolds. Mas a atriz decidiu trocar um filme do universo X-Men por outro.

Em entrevista à American Way, a atriz revela que rejeitou Deadpool porque “não queria outro papel de namorada” – indicando que ela faria Vanessa Carlyle, personagem que acabou sendo interpretada pela brasileira Morena Baccarin – e preferia no lugar um papel com mais fisicalidade. No final das contas, Munn acabou aceitando viver Psylocke justamente por conta disso, mesmo tendo menos diálogos.

O Observatório do Cinema está fazendo um especial sobre os mutantes do filme nesta véspera de estreia, e você pode acompanhar todas as matérias especiais aqui.

O que virá para a franquia após X-Men: Apocalipse?

Olhar Geek #2 | A história dos X-Men, os heróis dos rejeitados

“Desde o início da civilização, ele era adorado como um deus. Apocalipse, o primeiro e mais poderoso mutante do universo da Marvel, acumulou os poderes de muitos outros mutantes, tornando-se imortal e invencível. Ao acordar depois de milhares de anos, ele está desiludido com o mundo em que se encontra e recruta uma equipe de mutantes poderosos, incluindo um desanimado Magneto (Michael Fassbender), para purificar a humanidade e criar uma nova ordem mundial, sobre a qual ele reinará. Como o destino da Terra está na balança, Mística (Jennifer Lawrence), com a ajuda do Professor X (James McAvoy), deve liderar uma equipe de jovens X-Men contra o seu maior inimigo até então e salvar a humanidade da destruição completa”, diz a sinopse oficial.

X-Men: Apocalipse e mais 18 blockbusters imperdíveis de 2016

Saiba o que acontece na cena pós-créditos do filme

Dirigido por Bryan Singer, o filme estreia no Brasil em 19 de maio.

Publicidade