Enquanto faz a turnê de divulgação de Invocação do Mal 2, o diretor James Wan, que em breve vai comandar o filme solo do Aquaman, aproveita para comentar a recente reestruturação no comando do universo cinematográfico da DC.

O quadrinista Geoff Johns e o vice-presidente da Warner Bros., Jon Berg, foram contratados para dividir o comando desse universo, agora chamado de DC Filmes, com a dupla assumindo função similar a de Kevin Feige, o presidente da Marvel Studios. A Warner teria promovido as mudanças em função do desempenho abaixo do esperado de Batman vs Superman: A Origem da Justiça.

Durante entrevista ao Cinema Blend, James Wan afirmou que as notícias sobre a reorganização ser necessária para salvar o problemático universo de filmes da DC são exageradas:


“Para ser honesto, não é tão dramático quando a imprensa está mostrando ser – pelo que eu vejo. Neste momento, eu tenho a visão de um forasteiro, então, nessa perspectiva, [as mudanças] são bem legais e não insanamente drásticas. Geoff Johns é super talentoso e inteligente. Parte do que me deixou empolgado com Aquaman foi a reimaginação dele para o personagem nos Novos 52. Isso foi super animador. E estou trabalhando muito próximo a ele [no filme do herói] para moldar a história que eu quero contar”, opinou.

Embora o cineasta não acredita que a reestruturação na DC Filmes seja drástica, um dos efeitos colaterais foi a remoção de Charles Roven, produtor dos filmes da DC desde Batman Begins (2005), da produção dos futuros títulos da editora – leia aqui.

Geoff Johns sugere mudança de tom nos filmes da DC

A reestruturação também fez Zack Snyder, diretor de Batman vs Superman, perder o controle criativo que detinha sobre o universo da DC – algo que já tinha sido previsto com o anúncio de Ben Affleck na produção executiva de Liga da Justiça.