Bryan Singer se pronunciou sobre a polêmica reinterpretação da Mística que a trilogia mais recente, especialmente X-Men: Apocalipse, colocou. Não só a tradicional vilã se tornou um membro dos X-Men, no final de Apocalipse a vemos liderando o grupo de mutantes em um treinamento.

X-Men: Apocalipse quase teve uma participação maior de Wolverine

“É meio que minha homenagem ao arco de quadrinhos Age of Apocalypse”, explicou Singer. “Todo mundo troca de lados. Obviamente eu não contei aquela história inteira, mas nela as pessoas mudam de lado, alianças mudam. Eu acho que Mística é uma boa ideia para um filme-solo, seja com Jennifer [Lawrence] ou não”.


“Ela tem uma visão muito única do mundo. Xavier pode entrar no Cérebro que ver o mundo todo, mas ele prefere ensinar classes e ver mutantes e humanos conviverem em harmonia em seu pequeno microcosmo. E Raven chega e dá uma lição sobre o estado do mundo. Esse tipo de personagem abre muitos caminhos possíveis”, concluiu o diretor.

X-Men: Apocalipse lidera em estreia e massacra Alice Através do Espelho

O que virá para a franquia após X-Men: Apocalipse?