Nate Parker, diretor do favorito ao Oscar 2017 The Birth of a Nation, que ganhou o prêmio máximo no Festival de Sundance desse ano, está passando por uma polêmica quanto a um caso de acusação de estupro no seu passado.

Quando o diretor, roteirista e astro do filme estava na faculdade, em 1999, uma estudante da Penn State University o acusou de abuso sexual em um caso que, como a maioria dos ocorridos em câmpus americanos, acabou não resultando em condenação.

O mais novo detalhe a emergir da história diz respeito ao destino da vítima, cujo nome, obviamente, não foi revelado. Aparentemente, a acusadora de Parker acabou cometendo suicídio em 2012, aos 30 anos. “Ela estava muito atormentada”, contou uma advogada que trabalhou com a vítima na época. “Era o contato com seus abusadores e o constante medo de cruzar com eles no campus. Isso tudo aconteceu antes de qualquer programa de proteção à vítimas de abuso ser fundado”.


Nate Parker foi acusado do estupro ao lado do colega Jean Celestin, que na época participava da equipe de luta greco-romana da faculdade com Parker. Segundo a vítima, Parker e Celestin teriam a levado para o quarto que dividiam na faculdade após uma noite de bebedeira e, quando ela acabou ficando inconsciente na cama de um deles, se aproveitaram dela.

Nate Parker é enforcado com bandeira americana em primeiro pôster do filme

The Birth of a Nation gira em torno de Nat Turner (vivido por Parker), escravo que liderou uma rebelião de 48 horas contra fazendeiros e escravistas no estado da Virgínia em 1831, provocando uma retaliação violenta dos brancos. Armie Hammer (O Agente da UNCLE, O Cavaleiro Solitário) e Jackie Earle Haley (A Hora do Pesadelo, Pecados Íntimos) são os nomes mais famosos do elenco.

A Fox Searchlight adquiriu The Birth of a Nation por recordes US$ 17,5 milhões, o valor mais alto já negociado no Festival de Sundance.

Desde já um sério candidato ao Oscar, The Birth of a Nation chega aos cinemas brasileiros em 26 de janeiro de 2017.