Daniel Radcliffe pediu desculpas de antemão ao público pelos xingamentos racistas que foi obrigado a dizer em seu novo filme, Imperium.

No thriller, o ator interpreta um agente do FBI infiltrado em grupo neonazista e admitiu em entrevista ao jornal Evening Standart que se sentiu muito desconfortável durante as filmagens.

“Sempre que eu precisava citar algum xingamento racista eu me desculpava em seguida aos atores. Eles sabiam que quem estava dizendo aquilo era o personagem, mas era algo que eu precisava fazer”, contou Radcliffe, que também precisou raspar a cabeça para seu papel.


Trailer mostra Daniel Radcliffe infiltrado entre neonazistas

No filme, baseado nas experiências do disfarçado agente do FBI Michael German, co-autor do roteiro, Radcliffe viverá um jovem agente que se infiltra em uma gangue de supremacistas brancos que planeja um ato terrorista. German passou anos disfarçado dentro de grupos neonazistas e de milícias, sempre tentando ficar à frente deles.

Toni Collette faz uma veterana colega do personagem de Radcliffe, Tracy Letts interpreta o líder do movimento supremacista e Sam Trammell faz um pai suburbano, aparentemente normal, que recruta jovens para o grupo.

Radcliffe careca e nazista na primeira foto do filme

Daniel Ragussis escreveu o roteiro ao lado de Michael German e estreia na direção com Imperium. O thriller chega em 19 de agosto nos EUA e não tem previsão de lançamento no Brasil.